É fácil ter medo da floresta. É difícil se reorientar se você se perder, já que cada momento que passa trás a noite mais perto. Além disso, fazer uma “curva errada” pode ser uma ameaça à vida. No game Blair Witch, o bosque é um personagem contra o qual você deve lutar a cada passo. Dessa forma, cada galho quebrando sob seus pés o assustará. Cada movimento à distância irá enganar seus sentidos e fazer você acreditar que algo está ali. Na melhor das hipóteses, a Blair Witch (Bruxa de Blair) faz muito com bem pouco para “instilar” um forte senso de paranoia e pavor. No entanto, o game luta para manter essa atmosfera o tempo todo.

Veja também os jogos do Xbox Game Pass!

Veja também o review completo de CrossCode!

Um policial com seu cachorro

Blair Witch game: veja o review do game! - Foto: TM
Blair Witch game: veja o review do game! – Foto: TM

Você joga como Ellis, um ex-policial que assume a responsabilidade de se dirigir à infame Floresta Black Hills em Burkittsville, Maryland, para investigar o desaparecimento de outra criança em 1996. Ellis está perturbado. Dessa forma, ele sofre frequentes ataques de pânico que aludem ao estresse pós-traumático de seu tempo no exército e na força policial. Como resultado, ele afastou todos os que cuidam dele. Portanto, podemos dizer que Ellis é o candidato perfeito para as persuasões da Floresta Black Hills. Isso torna suas aventuras mais profundas e mais perigosas a cada segundo que passa.

Para evitar que você sucumba ao estresse e à ansiedade, você tem Bullet – um lindo e leal cão policial dado a você por seu ex-xerife. Ficar perto de Bullet mantém você calmo e também permite que você siga suas dicas úteis. Dessa forma, Bullet irá farejar pistas para você inspecionar e trilhas para você seguir, tornando a floresta “labiríntica” mais fácil de navegar. 

Além disso, Bullet também é ótimo para alertá-lo sobre perigos iminentes mais próximos. Portanto, ele irá latir para inimigos escondidos nas árvores e inimigos invisíveis enterrados em uma névoa espessa. De certa forma, o trabalho de Bullet é acompanhá-lo durante a maior parte do tempo de execução Blair Witch. Por fim, vale lembrar que é realmente desconcertante quando ele não está ao seu lado.

O game vai perdendo a “força” com o passar do tempo

Blair Witch game: veja o review do game! - Foto: Game Press
Blair Witch game: veja o review do game! – Foto: Game Press

Os ataques de pânico vívidos e violentos de Ellis são apenas um efeito colateral da ausência de Bullet. Essa “ausência” permite que os horrores de Black Hills inundem sua realidade e a distorçam. A própria floresta gira com as árvores se sobrepondo umas às outras para prendê-lo em caminhos sinuosos ou reorganizar sua compreensão de onde estão os marcos. É difícil se sentir seguro em qualquer lugar, já que você não sabe para onde correr quando precisa. O silêncio geral e opressor da floresta é suavizado delicadamente com sons ambientais reverberantes que aumentam sua tensão sensorial. Inclusive, isso fará como que você pule a cada pequeno barulho. Blair Witch atinge seus momentos mais tensos quando aparentemente nada está acontecendo. Dessa forma, o game deixa sua imaginação levar o melhor de você assim que Ellis começa a questionar a sua própria sanidade.

Mas isso não persiste até o fim, e são os elementos mais surreais de Blair Witch que não aderem. Existem dois tipos de inimigos: aqueles que explodem em pó quando você aponta sua lanterna para eles e aqueles que você não pode matar de jeito nenhum e deve evitar. Quando Bullet o alerta sobre os inimigos à frente, você apenas aponta a luz na direção em que ele está latindo se eles puderem ser mortos. Por outro lado, se eles estiverem imunes, você pode identificá-los como contornos vermelhos em sua câmera de vídeo e passar por eles sem problemas. Ambas as abordagens não requerem muito pensamento e nenhum desses encontros é tão cheio de suspense. Inclusive, alguns momentos irá “removê-lo” da tensão do ambiente ao seu redor.

Os quebra-cabeças atrapalham o ritmo da história

Blair Witch game: veja o review do game! - Foto: The Verge
Blair Witch game: veja o review do game! – Foto: The Verge

Há também alguns quebra-cabeças ocasionais conforme você se aventura pela floresta. Embora atrapalhem menos a atmosfera geral do game, dificilmente são mais criativos do que os inimigos. A mecânica principal do quebra-cabeça funciona com sua “camcorder” e fitas com etiqueta vermelha, que, em conjunto, permitem manipular partes do ambiente ao seu redor. 

Por exemplo, um enorme tronco pode estar bloqueando seu caminho à frente. No entanto, você consegue movê-lo ao rebobinar uma fita do mesmo local alguns segundos para trás e continuando em seu caminho. Uma porta trancada pode ser superada da mesma maneira, contanto que você mantenha a fita associada a ela pausada em um ponto onde a porta esteja aberta. A ideia de manipular o tempo a seu favor é inteligente, mas as soluções são tão óbvias que nunca é satisfatório resolver os quebra-cabeças aos quais estão vinculados.

Muitos desses encontros e quebra-cabeças com o inimigo atrapalham o fluxo de navegação na floresta misteriosa que atrapalham seu efeito geral, bem como o ritmo da história. A Bruxa de Blair não conta uma história complexa e suas reviravoltas se prolongam por tanto tempo que é fácil vê-los chegando antes que tenham qualquer chance de causar algum impacto. Cada fio da narrativa chega a um ponto culminante nos capítulos finais, onde a sutileza da floresta é substituída pelo surrealismo exagerado que tenta resolver rapidamente todas as pontas soltas lançadas em você até este ponto. Suas resoluções são desanimadoramente previsíveis, tornando a promessa de “suas ações estão sendo observadas” no início do jogo vazia.

Há apenas uma grande escolha para fazer durante o game

Blair Witch game: veja o review do game! – Foto: Steam

Existem finais adicionais para ver se você segue algumas regras incrivelmente rígidas em jogadas subsequentes, mas aquele que você provavelmente verá em sua primeira tentativa é provavelmente aquele que ficará com você. Você só tem uma grande escolha a fazer, que é óbvia e tem um impacto tangível em uma faceta do final que você obtém. O resto das escolhas são quase impossíveis de seguir sem pesquisar o que são primeiro e, mesmo assim, parecem mais desafios mundanos do que pivôs inteligentes para a história fazer com base em suas ações. A falta de clareza nas escolhas torna as jogadas subsequentes muito menos convidativas, especialmente quando a tênue centelha de novos quebra-cabeças e sustos desconhecidos não está mais lá para entretê-lo.

Apesar de toda a tensão envolvente que seu cenário instila, Blair Witch não consegue manter sua atmosfera inicialmente assustadora e acaba perdendo-a inteiramente com sua conclusão. Ele não captura o horror paranóico de seu homônimo da mesma maneira, em parte devido aos encontros errôneos com o inimigo que pisam na ambiguidade de seu antagonista central e na solução de quebra-cabeças de uma nota que arranca você de sua atmosfera meticulosamente elaborada. Embora ainda seja enervante ter o silêncio de uma floresta vazia perfurado pelos latidos alertados de seu companheiro canino, o game Blair Witch não consegue recapturar seus momentos tensos de abertura e levá-los a um final forte e cativante.

Gostou? O que achou? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. Basta clicar em “Canal do Telegram” que está localizado no canto superior direito da página!