Commandos 3: Destination Berlin é o terceiro game da série de títulos de estratégia da Segunda Guerra Mundial. Mais uma vez, o game traz o jogador no comando de uma pequena equipe de aliados lutando contra os nazistas por trás das linhas inimigas. No início, o jogo parece funcionar muito como um título de estratégia em tempo real. Dessa forma, você vê suas unidades por meio de uma câmera no alto, ou seja, sobre o campo de batalha. Além disso, vale lembrar que as unidades seguem os pontos e cliques do seu plano de ataque.

Confira também o review completo de Cooking Simulator!

Cada um de seus comandos desempenha uma função específica. Ao longo das doze missões do jogo, você fará uso de um espião, um “sapador”, um ladrão, um atirador, um “boina verde” e um mergulhador. Algumas missões garantem a você acesso à maioria das habilidades de roupa, enquanto outras reduzem seu esquadrão a um homem solitário, dependendo das instruções. Cada homem tem uma personalidade caricatural bastante cativante com uma voz propositalmente exagerada. Commandos 3 tenta introduzir uma narrativa para a série, mas ela permanece bem pouco envolvente e superficial por toda parte.

Mas a fidelidade do jogo às regras da estratégia em tempo real diminui quando você começa a entender a delicadeza de abordar cada missão. O planejamento cuidadoso necessário, embora não seja semelhante em função, é uma reminiscência de títulos de táticas pesadas como Rainbow Six. Além disso, a confiança em Stealth lembra o Splinter Cell e Metal Gear Solid. A capacidade de detectar a posição dos inimigos com o toque de uma tecla de atalho e ser capaz de ver a linha de visão de um único soldado tornam-se as ferramentas mais essenciais do jogo.

Inimigo nos portões

Commandos 3: confira o review completo! – Foto: Reprodução/ Steam

Quando você começa, tudo parece bastante simples. Certamente parece um desafio, com certeza, mas o breve tutorial da a confiança de que você irá se sair bem contra a ameaça nazista. Além disso, os controles parecem bem simples, com um clique com o botão direito selecionando um homem e um esquerdo dizendo a ele onde ir. Outras funções mais específicas de habilidade são tratadas com um ponteiro sensível ao contexto.

No entanto, o game é difícil. É tão difícil que, em pouco tempo, o jogador pode começar a se sentir nervoso. Commandos 3 exige tanto que seus esforços podem parecer inúteis. 

Habilidade!

Commandos 3: confira o review completo! - Foto: Reprodução/ Steam
Commandos 3: confira o review completo! – Foto: Reprodução/ Steam

Seria muito fácil desistir de Commandos 3 depois de passar um dia tentando chegar a algum lugar. Mas sentar e absorver de forma adequada o que o jogo apresenta a você deve ser uma das primeiras habilidades a aperfeiçoar.  Resumos de missão bem vagos abrem um vasto número de opções para o jogador. Dessa forma, você pode sentar por alguns minutos no início de uma missão ponderando rotas e táticas furtivas. Isso é muito essencial. Analisar as rotas de patrulha e os comportamentos da ameaça nazista sempre presente e terrivelmente astuta torna-se instintivo. Até mesmo ficar confortável com cada um dos talentos individuais de seu comando pode exigir muitas tentativas e novas tentativas sozinho.

O combate frontal não é a tática ideal a seguir e, felizmente, seus homens estão mais do que prontos para o trabalho de deslizar ou afastar os guardas sem serem detonados, desde que você esteja ciente de suas capacidades. Por exemplo, o ladrão pode usar arame farpado para estrangular soldados desavisados ??ou dar um golpe rápido com o punho. Ele poderia então arrastar o corpo para um local isolado, pegar seu uniforme e entregá-lo ao espião, que poderia se trocar e se infiltrar nas tropas inimigas. A variedade de pequenos planos que você pode formular para superar situações aparentemente triviais eleva a jogabilidade.

A interface do game

Commandos 3: confira o review completo! - Foto: Reprodução/ Steam
Commandos 3: confira o review completo! – Foto: Reprodução/ Steam

Além da dificuldade do jogo em si, outro elemento com o qual você terá que se familiarizar é a interface. Às vezes, as combinações de clique para executar funções simples como disparar um rifle de precisão podem se tornar um pouco difíceis. Nenhuma quantidade de memorização o ajudará a superar a disputa complicada de ícones.

Apesar de toda a dependência de um planejamento cuidadoso e execução precisa, o jogo às vezes parece muito mais conflituoso do que os títulos anteriores. Uma adição sutil que faz uma grande diferença é a capacidade de dizer às suas tropas para cobrir áreas específicas do mapa e disparar automaticamente sobre os inimigos que entram em sua linha de visão, permitindo que você derrube um ou dois homens por vez para detonar armadilhas e emboscadas em outro lugar em um dos níveis tipicamente enormes. Além disso, também ajudam a diferenciar dos jogos anteriores as horríveis e estressantes missões cronometradas.

Um gráfico muito bonito para a época

Commandos 3: confira o review completo! – Foto: Reprodução/ Steam

O jogo mantém as familiares paisagens isométricas (bem bonitas, por sinal) que foram entregues em Commandos 2, mas as atualiza com a adição de alguns efeitos e técnicas de deformação de cenário que produzem algumas sequências bem impressionantes. Além disso, a introdução de recursos acelerados por hardware também aumenta o esplendor visual, com cada pessoa no jogo renderizada com detalhes brilhantes. Mas a adição mais significativa nesta área são os interiores 3D totalmente giratórios.

Mas, embora isso deva ter parecido uma ótima ideia na época, a transição entre os exteriores essencialmente 2D e os interiores 3D não flui muito bem, forçando uma mudança repentina no estilo de jogo enquanto você tenta colocar as salas na posição de visualização ideal. Todos esses visuais adoráveis ??têm um preço também, e tive problemas de desempenho quando pedi ao jogo para realizar o que supus ser tarefas relativamente simples, como girar a visão externa noventa graus.

Houve mais de uma ocasião irritante em que eu girava minha visão, apenas para ouvir meu homem ser localizado e morto a tiros sem ser capaz de ver o que estava acontecendo. O medo de ocorrências repetidas tornou-se tão grande que normalmente me restringia a um ângulo de visão, a menos que fosse absolutamente necessário mudar. Por fim, a falta de opções gráficas para melhorar o desempenho também é ruim, com apenas botões de alto ou baixo detalhe para escolher – não há nem mesmo a opção de alterar as resoluções.

Conclusão

Commandos 3: confira o review completo! – Foto: Reprodução/ Steam

Commandos 3 é um game bem difícil. Dessa forma, você pode até pensar que é “ruim” em jogos. No entanto, apesar de tudo isso, você continua tentando jogar o game.

Na verdade, não há muitas ideias novas neste jogo e doze missões pode até parecer um pouco curto para os veteranos. Mas acredite em mim quando digo que é mais do que suficiente para mantê-lo ocupado.

Gostou? O que achou? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. É só clicar em “Canal do Telegram” que está localizado no canto superior direito da página!