Quando Dark Souls foi lançado em 2011, ajudou a solidificar um novo gênero de RPG de ação. Desde então, os jogadores se mantiveram no jogo, com “clubes de luta” e revisitações anuais massivas. Dark Souls é mais um ritual do que jogo neste ponto, e era inevitável que chegaria uma remasterização (Dark Soul Remastered) a qualquer momento. Acho que todos os fãs do “primeiro” game ficaram felizes com isso.

Veja também o review completo de Risk of Rain 2!

Dark Souls continua sendo um jogo notavelmente consistente. O mundo do jogo caiu em ruínas anos depois que uma “cabala de deuses” se uniu para derrotar uma horda de dragões ancestrais. A entropia devora todas as coisas até que o mundo se transforme em um mar de cadáveres e bestas irracionais. E ainda assim o jogador persiste, enfrentando cada novo chefe repetidas vezes, apesar de suas inúmeras derrotas. Dark Souls é, em última análise, um jogo sobre o que fazemos com a certeza de que morreremos. Nós lutamos para manter as coisas funcionando? Abraçamos a escuridão que se aproxima? O “mau humor” do jogo surge de perguntas dolorosas e ressonantes. A existência de Dark Souls  remasterizado fornece respostas a essas perguntas persistindo a todo custo em vez de desistir.

Dark Souls remasterizado é difícil, mas muito bom

Dark Souls Remastered: confira o review completo! - Foto: Reprodução/Steam
Dark Souls Remastered: confira o review completo! – Foto: Reprodução/Steam

E porque não? Dark Souls é um jogo muito bom e a versão remasterida mostra isso. Ele limpa as texturas e desempenho do jogo, enquanto adiciona pequenos ajustes à experiência online. Portanto, as coisas funcionam agora onde não funcionavam antes, enquanto a experiência de jogo principal ainda ressoa. Explorar um nível em busca de segredos e se adaptar às emboscadas inimigas é uma divertida mistura de luta e resolução de quebra-cabeças. 

Roadblock após roadblock surge, geralmente parecendo invencível até que você veja as falhas mínimas que permitem que você progrida. Os jogos Souls são sobre pequenas vitórias – encontrar o caminho para aquele item que você viu, aprender como desviar um inimigo perigoso, lutar contra um chefe uma dúzia de vezes até que você finalmente os derrote. Dessa forma, cada passo à frente parece significativo de maneiras que muitos jogos só podem sonhar. O apelo de Dark Souls é o apelo da autovalidação. Nenhum jogo, nem mesmo as sequências de Dark Souls, entregaram essa fantasia com tanto poder.

Muito disso se deve ao mundo do jogo, uma pilha imponente de aldeias, fortalezas, pântanos e criptas que se interligam em um todo coeso. Há uma notável sensação de realização que vem de lutar com uma área apenas para retornar mais tarde e prosseguir com ela com facilidade. Isso é reforçado pelo combate do jogo, uma forma lenta e robusta de hackear e cortar em que o pressionamento de botões parece um compromisso importante. Você não apenas lança um feitiço mágico em Dark Souls , você espera até a janela certa e se enraíza no lugar para convocar um gêiser de energia cristalina. Anos depois, essas decisões táticas de momento a momento ainda são maravilhosas.

Dificuldade mesmo quando você não está no combate

Dark Souls Remastered: confira o review completo! - Foto: Reprodução/Steam
Dark Souls Remastered: confira o review completo! – Foto: Reprodução/Steam

Dark Souls é um jogo hostil, mesmo fora de combate. As armas ficam fora do alcance dos requisitos estatísticos e “convênios” especiais. Além disso, suas recompensas ficam bloqueadas porque você não investiu em pontos de fé suficientes. Questlines terminam tragicamente porque os jogadores não sabiam – como poderiam? – que eles precisavam abrir um atalho especial e matar um verme solitário que infectaria seu NPC favorito. A recusa de Dark Souls em se explicar é frustrante e admirável. Enquanto as vitórias mais sentidas vêm de derrotar chefes complicados, há uma alegria perversa em entender os critérios de progressão misteriosos e desconcertantes do jogo.

Ignorando sua lógica inescrutável, a maior falha de Dark Souls é estrutural. Isso é mais evidente em retrospecto, como destaca a remasterização. A metade inicial do jogo é sobre exploração. Mover-se de um local para o outro muitas vezes significa voltar atrás e passar por onde você veio. O mundo de Dark Souls é um labirinto que, no entanto, se torna familiar. A segunda metade do jogo quebra essa estrutura em quatro locais distintos em partes distantes do mundo. Esses locais estão repletos de truques sujos: inimigos invulneráveis ??a ataques normais, enormes lagos de lava que minam sua saúde e catacumbas escuras onde tiros “baratos” o jogam em poços sem fundo. Além disso, esses segmentos são coroados por alguns dos chefes mais desanimadores do jogo.

Reviver Dark Soul significa abraçar algumas imperfeições

Dark Souls Remastered: confira o review completo! – Foto: Reprodução/Eurogamer

A justaposição de exploração de qualidade e combate casual no segundo tempo chamou minha memória de Dark Souls em foco. Dark Souls, de forma intencional ou não, tem contrastes embutidos em seu mundo, bem como em seu design. No final das contas, as alturas da exploração e conquista do demônio desaparecem até que tudo o que resta é uma batalha de chefe final contra um rei perdido facilmente derrotado por um jogador que domina a “mecânica de aparar”. Portanto, essa imperfeição, esses extremos dipolares conferem ao jogo um caráter inegável. É falho e frequentemente quebrado, mas também inspirador.

Reviver Dark Souls significa abraçar essas imperfeições e deixar a maioria delas intactas. Salvo por algumas falhas como a capacidade de ganhar almas infinitas, Dark Souls Remastered mantém a maioria das falhas do jogo original, em vez de renovar ou corrigir problemas com o original. É uma cópia fantasma quase indistinguível do material de origem. Portanto, para alguns, isso será decepcionante. Qual é a finalidade de uma remasterização se você já pode inicializar sua cópia do PC, repleta de mods que corrigem problemas de desempenho? Por que pagar por algo que você já possui? Não tenho outra resposta satisfatória para sugerir que, se você tem uma versão de Dark Souls  que já funciona bem para você, pode não haver uma razão para escolher a remasterização. Dark Souls Remastered parece mais um meio de permitir que novos jogadores experimentem o jogo.

Algumas “mudanças” alteram a “estrutura” subjacente do jogo

Dark Souls Remastered: confira o review completo! – Foto: Reprodução/Eurogamer

A experiência central de Dark Souls Remastered às vezes se desvia do original de maneiras estranhas. Isso fica mais claro no aumento da fidelidade visual e do desempenho do jogo. As texturas renovadas e uma taxa de quadros suave oferecem uma limpeza que é bem-vinda, mas ocasionalmente muda as coisas do original. A lava de Lost Izalith perde seu brilho áspero e florido em favor de algo mais discreto e menos mágico. Blighttown, famoso por seu desempenho monopolizador e “framerate gaguejante”, agora roda em sedosos 60 frames por segundo, mas a facilidade de movimento resultante transforma uma das áreas mais infames do jogo em uma moleza. Essas coisas são pequenas, mas alteram a estrutura subjacente do jogo. Portanto, ele rouba novos jogadores de pontos de referência culturais e experiências comuns compartilhadas que moldaram o jogo original.

Parte da dificuldade de preservar o Dark Souls original reside em uma comunidade em declínio. Elementos multiplayer como PVP ou convocação de outros jogadores para ajuda em lutas contra chefes só funcionam se houver jogadores e servidores para apoiá-los. Demon’s Souls, a primeira incursão da FromSoftware em sua nova forma de RPG de ação, desativou seus servidores originais em 28 de fevereiro. Dark Souls não atingiu este ponto, mas desbotou o suficiente para que os jogadores organizem um retorno anual ao jogo. Dark Souls Remasterizado é uma parte cara de necromancia técnica destinada a prolongar um pouco mais nosso tempo em Lordran. Dessa forma, o resultado geralmente é lindo. Nunca ouvi o sino do despertar tocar tantas vezes, e há sinais de invocação em lugares que estavam vazios em minhas viagens anteriores no original.

Conclusão

Dark Souls Remastered: confira o review completo! – Foto: Reprodução/Eurogamer

Neste ponto Dark Souls é menos um jogo que todos nós jogamos do que uma coisa que nós, como uma subcultura coletiva, fazemos. Seu DNA é entrelaçado em dezenas de jogos, desde o “hacker” The Surge até o Nioh com sabor de samurai. Existem muitos jogos do tipo “Almas” por aí, imitando a mecânica e repetindo o design do jogo original. Mas eles não são Dark Souls e, como mariposas atraídas pelas chamas, a cultura em geral retorna ao jogo que começou tudo mais uma vez. Dessa forma, Dark Souls Remasterizado é uma replicação próxima do material de origem, permitindo que novos jogadores vejam qual foi o grande negócio e os veteranos testem seu valor mais uma vez. Já houve uma geração de guerreiros mortos-vivos que completaram sua jornada e tocaram os Sinos do Despertar. Agora é hora de outra geração.

Fonte: Kotaku

Gostou? O que achou? Já jogou Dar Soul Remasterizado? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. É só clicar em “Canal do Telegram” que está localizado no canto direito superior da página!