Jogar Divinity: Original Sin II é bem semelhante a um jogo de RPG de mesa. A maneira como essa sequência abraça a criatividade do jogador evoca memórias de dias passados ??sentado em torno de uma mesa, perguntando ao Mestre se eu posso tentar a última ideia estúpida que surgiu em minha cabeça.  E, como um bom mestre, o Original Sin II geralmente responde a essa pergunta com “Sim, você pode tentar”.

Confira também o review completo de Death Gambit

Os planos nem sempre dão certo, é claro. No entanto, alguns fracassos podem ser bem divertidos. Essa liberdade para experimentar e cometer erros está presente desde o início, quando você faz seu suposto herói. Ou vilão.

Seja o que você quiser no game

Divinity Original Sin II: veja o review do game! - Foto Reprodução/ PC Mag
Divinity Original Sin II: veja o review do game! – Foto Reprodução/ PC Mag

Você pode jogar de tudo, desde um anão “morto-vivo” que não ama nada mais do que brandir seu machado de duas mãos e atirar pedras até um mago elfo sorrateiro que pode falar com animais e obter visões comendo cadáveres.  Existem classes e personagens pré-fabricados com experiências ricas e missões pessoais, mas também é possível criar algo que seja inteiramente seu, construindo uma persona e uma classe personalizada a partir de uma série de marcas de origem, atributos e habilidades. 

No entanto, eu recomendo escolher um personagem de origem pré-fabricado.  Você ainda pode personalizar sua aparência e habilidades, mas são suas missões que são importantes. Dessa forma, cada um é abençoado com uma longa missão paralela à missão principal, desenvolvendo-a e tornando as apostas ainda mais pessoais. Além disso, eles também tendem a obter as melhores falas, especialmente o Eterno morto-vivo, Fane, cujo sarcasmo cortante pode te manter aquecido à noite. Entretanto, os personagens de origem que você não escolhe tornam-se companheiros que você pode recrutar, permitindo que você ainda experimente suas histórias.

Com tantos caminhos potenciais diferentes, é útil ter uma “festa” que cobre todas as bases. Convenientemente, os companheiros – você pode trazer três com você – podem ser personalizados no momento em que você os conhece, e quaisquer erros cometidos podem ser desfeitos ao observar através de um espelho. Dada a ampla gama de habilidades e inúmeras oportunidades de “bagunçar”, é uma grande vantagem.   

Truques legais não significam que as missões sejam fáceis

Divinity Original Sin II: veja o review do game! - Foto Reprodução/ PC Mag
Divinity Original Sin II: veja o review do game! – Foto Reprodução/ PC Mag

Quando há limitações, elas estão sempre bem escondidas, e a Larian Studios fez um trabalho fenomenal em antecipar o que os jogadores podem querer fazer, até mesmo como eles podem tentar quebrar o jogo. Dessa forma, pegue a habilidade de teletransporte. Você pode colocar suas mãos nisso desde o início, e essencialmente fornece um atalho para muitos obstáculos e missões. Quase parece que estou trapaceando, usando-o, mas não só Original Sin II o apoia, como também oferece a ideia em primeiro lugar.

Esses truques legais não significam que as missões sejam simples. A Larian adora seus “arranha-cabeças”, povoando Rivellon com enigmas morais e mistérios antigos. Eles são ótimos, cheios de curvas inesperadas e momentos de personagem gratificantes, mas mantê-los sob controle é um trabalho árduo. O diário rapidamente se torna impossível de analisar e as direções dos NPCs podem ser vagas, mas é outro recurso bem-vindo que realmente complica as coisas: a natureza conectada do mundo.  

Muitos dos NPCs que você encontrará têm relacionamentos e lealdades que afetam mais de uma missão, e eventos aparentemente não relacionados podem colidir, encurtando as aventuras. Essas ondas de consequência resultam em um mundo que parece vivo, e até mesmo dão autonomia aos NPCs, mas também inspiram hesitação quando a decisão é exigida por medo de que uma ou mais dessas escolhas acabem com outra missão. É assustador, mas também é um preço justo a pagar pelo peso que dá às decisões.

Faça a suas decisões

Divinity Original Sin II: veja o review do game! - Foto Reprodução/ PC Mag
Divinity Original Sin II: veja o review do game! – Foto Reprodução/ PC Mag

Um dos primeiros lugares que vou em qualquer nova vila do RPG é o bebedouro local. Portanto, quando cheguei em Driftwood durante o terceiro capítulo do jogo, fui imediatamente para o Black Bull. Sua dona era uma mulher afável, tagarela e mãe orgulhosa. Enquanto ela falava sobre seu filho, me ocorreu que eu conhecia esse cara. Ele era um monstro de um homem que eu conheci horas atrás. Eu o matei. E lá estava sua mãe, gabando-se de como ele é bom, inteligente e do quanto ela o ama. Eu nunca disse a ela, embora pudesse, e nada saiu da conversa, mas importava, tornando a luta retroativamente mais memorável. E há mais desses momentos do que eu poderia contar.

Além disso, a missão principal de Original Sin 2 lembra o Baldur’s Gate II: Throne of Bhaal, ambos sendo “raças para a divindade”. O mundo está uma bagunça, você vê, com bestas monstruosas e violentas onde quer que haja uma fonte mágica. E por acaso você é um “sourcerer” com um chamado divino, nascido com a habilidade de manejar esta poderosa magia, falar com os mortos e festejar com as almas. Então é claro que você foi levado para a prisão pelos Magos corruptos – os vilões fanáticos do jogo – aparentemente para impedi-lo de arruinar o mundo. O que começa como uma missão para escapar das espirais da prisão em uma busca envolvendo deuses competindo pela sobrevivência e um mal prestes a engolir o mundo. 

Os companheiros do game

Divinity Original Sin II: veja o review do game! – Foto Reprodução/ PC Mag

O que poderia ter sido sua busca típica de fantasia de alto risco é elevada por uma forte escrita e dublagem que salta sem esforço entre caprichosa e brutalmente sombria. Além disso, pode ser surpreendentemente comovente também. Por mais tentador que seja bancar o babaca do mal em um jogo que oferece tanta liberdade, há muitos momentos de emoção que você só verá se não for um idiota. É por isso que mantenho a “Lohse” por perto. Dos meus três companheiros, ela é o “policial bom”, falando com as pessoas como um ser humano atencioso em vez de um necromante morto-vivo do mal. 

A Larian também subverteu um pouco a “dinâmica do partido”. Companheiros não apenas ajudam você a realizar suas próprias missões pessoais, eles são, em última análise, sua competição, já que cada um deles é o herói escolhido para seu respectivo “patrocinador divino”. Isso tem um impacto ainda maior em co-op, com cada jogador capaz de ferrar seus três aliados. Enquanto você faz compras ou luta, eles podem estar crescendo em poder, esperando para traí-lo.

Em minha própria campanha cooperativa, estou mais contente em explodir tudo. Literalmente e figurativamente. Meu amigo quer conversar com um NPC? Eu jogo uma pedra enorme neles. Ele quer evitar o que será claramente uma luta fatal com alguns crocodilos teletransportados? Corro até eles e coloco fogo. Obviamente você nunca deveria brincar comigo, mas me diverto muito.

Modo Game Master e Modo Arena

Divinity Original Sin II: veja o review do game! – Foto Reprodução/ PC Mag

Além do co-op, há um modo Game Master, permitindo que você use os recursos do jogo (ou os seus próprios) para criar aventuras de mesa. As ferramentas são simples de usar, mas flexíveis o suficiente para que você possa criar breves campanhas de 20 minutos ou massivas brincadeiras de RPG que levarão dias para o seu grupo terminar.

Quando você quiser desabafar, há também o modo Arena, que coloca os jogadores uns contra os outros em PvP estruturado. O que pode ter sido uma simples diversão é, em vez disso, um ótimo motivo para continuar jogando assim que terminar a campanha. O combate tático profundo e frequentemente caótico é um ponto alto, e a oportunidade de entrar em mais dificuldades é muito bem-vinda.

O grande número de escolhas torna o jogo atraente

Divinity Original Sin II: veja o review do game! - Foto Reprodução/ LN
Divinity Original Sin II: veja o review do game! – Foto Reprodução/ LN

Rivellon é um mundo violento e, embora muitas das lutas por turnos possam ser evitadas, você ainda vai passar muito tempo lutando. Essas batalhas ocorrem consistentemente em lugares taticamente interessantes, cheios de pontos de estrangulamento, barris explosivos e vários níveis, o que é especialmente impressionante considerando que você pode começar uma luta com qualquer NPC. Mas, como o resto do jogo, é o grande número de escolhas que você pode fazer em cada encontro que os torna tão atraentes.

Um sistema sem classes significa que você pode criar uma variedade impressionante de heróis estranhos, desde guerreiros que podem criar asas, chifres e pernas de aranha, até arqueiros sobrenaturalmente talentosos que podem controlar o clima. Algumas habilidades conferem vôo. Outros fazem os inimigos “sangrarem” fogo. Os campos de batalha são, na verdade, laboratórios preparados para experimentos malucos, onde habilidades mágicas e marciais podem ser combinadas com o ambiente para criar qualquer coisa, desde uma parede de fogo que cura até “diabinhos demoníacos” feitos de poças de sangue.

Um jogo difícil, mas não impossível

Divinity Original Sin II: veja o review do game! – Foto Reprodução/ LN

Eles são difíceis, no entanto. As lutas são brutais e a ampla gama de habilidades torna difícil criar planos até que você já tenha perdido uma vez. São quebra-cabeças nos quais você precisa continuar trabalhando, tentando chegar até eles de diferentes ângulos, aprendendo os padrões do inimigo, identificando as principais ameaças. Dessa forma, você pode se perder nessas arenas ardentes e ensanguentadas. É facilmente um dos melhores sistemas de combate de RPG, mas não há como negar que requer mais paciência e prática do que a maioria.

Isso é verdade no jogo em geral. Seu escopo pode ser intimidante, mas não opressor, e geralmente há uma maneira de consertar um erro. Se você matar alguém com quem precisa falar para uma missão, por exemplo, há uma boa chance de que saquear o cadáver dele o levará na direção certa. Portanto, pode ser punitivo, certamente, mas nunca cruel.

E é esse escopo intimidante e ambicioso, essa dedicação à liberdade do jogador, que torna Divinity: Original Sin II tão impressionante. Não existe outro RPG que permita tanto. A Larian prometeu muito, e cumpriu totalmente, criando um jogo singular que faz “malabarismos” com uma abundância de sistemas complexos e imersivos, e nunca os deixa cair.

Gostou? O que achou? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. Basta clicar em “Canal do Telegram” que está localizado no canto superior direito da página!