É difícil classificar a versão de 2016 do game Doom. O jogo compartilha elementos narrativos com os games anteriores, portanto não é um reboot. Mas não se baseia diretamente na mecânica ou na história de Doom 3, então não seria justo chamá-lo de uma sequência direta.

Em 2014, recebemos a confirmação de que um novo Doom estaria a caminho. Na época, a desenvolvedora Id Software revelou que o jogo não teria o nome de “Doom 4”, como os boatos indicavam. Dessa forma, ele chamaria “Doom”. Depois de mais de uma década e uma revolução completa dentro do gênero que ajudou a criar, a mudança do título foi um reconhecimento legítimo de que Doom é uma série histórica, mas que estava esquecido há algum tempo.

Em vez de voltar com o game de tiro linear com pele de demônio, o novo Doom  une sistemas de jogo modernos ao clássico jogo de tiro rápido. O game é rápido. É sangrento. É brutal. Dessa forma, ele pode recriar as sensações que você sentiu ao tocar o original. No entanto, o que começa como uma fatia refrescante do passado, eventualmente se arrasta para um trabalho um pouco repetitivo. Doom é uma homenagem brilhante a um clássico, mas não consegue alcançar algo novo.

Uma campanha simples

Doom: confira o review completo do game! - Foto: Reproduçao/ Digital Trends
Doom: confira o review completo do game! – Foto: Reproduçao/ Digital Trends

A campanha para um jogador de Doom coloca os jogadores de volta no lugar do fuzileiro espacial sem nome. Dessa forma, ele acorda em uma mesa de laboratório com “demônios em sua garganta”. Depois de estabelecer que ele está em Marte, o objetivo rapidamente se torna claro: matar todos os demônios e fechar o portal que os está deixando passar do inferno. Bastante simples, certo?

A narrativa de Doom é uma fachada. É um meio de disfarçar a estrutura simples do jogo como uma grande aventura. À medida que a história se desenrola, ela oferece um pano de fundo apenas o suficiente para impedir que o público moderno e faminto por boas histórias reclame do game. Existem alguns personagens também, embora eles existam principalmente para fornecer exposição e / ou personificar objetivos principais. Se você tentar pensar muito sobre eles, perderá o interesse.

Depois de mostrar a história, o jogo adere à estrutura simples de suas entradas originais. Os jogadores seguem seu caminho através de níveis numerados, que oferecem uma série de tiroteios baseados em ondas contra quadros cada vez maiores e difíceis de criaturas do inferno. Essas arenas são separadas por corredores e disfarçadas por sub-objetivos. Por exemplo, você será enviado à procura de uma chave azul para poder abrir a porta azul. Embora as seções intermediárias frequentemente apresentem plataformas ou um ocasional tiroteio leve, por uma questão de ritmo, a maior parte do seu tempo é gasto trancado em salas de várias formas e tamanhos, correndo e matando coisas.

Corra, atire, mate, repita

Doom: confira o review completo do game! - Foto: Reproduçao/ Digital Trends
Doom: confira o review completo do game! – Foto: Reproduçao/ DT

Felizmente, aquela jogabilidade básica – correr em uma velocidade vertiginosa, esquivar e atirar em demônios para que eles não possam atirar em você – é extremamente satisfatória. Há uma energia frenética que se acumula na arena: o jogo também recompensa você por uma tática agressiva. Você ganha saúde (e economiza munição) ao acabar com os demônios com “mortes de glória”, animações de morte acionadas por meio de um ataque corpo a corpo contra inimigos enfraquecidos. Correr diretamente contra um inimigo, disparar sua arma e depois derrubá-lo com uma matança de glória é o suficiente para desencadear uma descarga de adrenalina da vida real, mesmo contra oponentes fracos. E você vai fazer isso dezenas de vezes em todos os níveis.

As armas são padrão para atiradores em primeira pessoa e incluem um rifle de assalto, um lançador de foguetes e duas espingardas. Você também pode modificar as armas ao encontrar itens secretos e atualizá-las usando tokens ganhos em combate e completando objetivos opcionais. Os mods permitem que você escolha entre dois tipos de fogo secundário. Com o lançador de foguetes, por exemplo, você pode detonar um míssil mais cedo ou travar em um inimigo e disparar uma barragem de foguetes. Entre as armas e os mods, que podem ser trocados na hora, há variação suficiente para garantir que atirar em objetos nunca pare de ser divertido.

Na forma clássica de Doom, saúde, armadura, munição e outros power-ups são bem espalhados, mas os inimigos são densos o suficiente para tornar a coleta e gerenciamento de seus recursos uma preocupação estressante. Como os mods de armas, existem itens colecionáveis ??ocultos que permitem que você carregue mais saúde, armadura e munição, mas você nunca se torna tão poderoso a ponto de não precisar gerenciar seus recursos.

Mais cedo ou mais tarde, o game te deixará frustrado

Doom: confira o review completo do game! - Foto: Reproduçao/ DT
Doom: confira o review completo do game! – Foto: Reproduçao/ DT

Cada jogador chegará a um ponto na campanha de Doom em que o jogo parece estar no seu ritmo. Cada encontro vai empurrá-lo para além de sua zona de conforto pelo tempo suficiente para que você dê um forte suspiro de alívio depois de limpá-la. Infelizmente, não importa quando esse ponto chegar para você, o jogo continuará a prolongar seus desafios com mais inimigos e lutas mais longas, deixando você mais frustrado do que satisfeito.

Agora, eu reconheço que todos têm um nível de habilidade e limite únicos para o desafio, então argumentar que um “jogo é muito difícil” não é exatamente justo: ao contrário, é a natureza de como o jogo aumenta esse desafio. À medida que as lutas ficam mais longas, a sensação mágica de sobreviver cede à exaustão e, em pouco tempo, ao tédio. Chegar em uma batalha do ângulo errado pode ser como bater a cabeça contra a parede.

A obsessão desnecessária de Doom em fazer os jogadores lutarem também gera seu momento mais baixo: três batalhas contra chefes no final do jogo.  Depois de horas e horas correndo caoticamente por dezenas de inimigos, atacando à vontade, memorizar os padrões dos chefes parecem uma tortura.

Visualmente, a estética de Doom é brutal e encharcada de sangue do início ao fim. Um nível inicial, por exemplo, sinaliza que o combate que está por vir ficará mais desafiador, com um corredor coberto por uma lama carmesim feita de sangue e vísceras humanas. Esse sangue é desconcertante no início, mas você rapidamente ficará insensível a ele. Além de alguns personagens humanos e o diário de vídeo ocasional, você raramente vê (ou pensa sobre) pessoas em Doom. Como resultado, grande parte de sua violência implícita carece de impacto.

Modo Multiplayer

Doom: confira o review completo do game! – Foto: Reproduçao/ DT

Doom aplica o mesmo tiro de alta velocidade em seu multiplayer. Portanto, ele captura a velocidade e a loucura dos primeiros jogos de tiro multiplayer, como a série Quake. A jogabilidade é mais frenética do que Call of Duty. Usando um arsenal expandido, que inclui uma arma que carrega enquanto você corre, a corrida e os disparos parecem ainda mais rápidos no multiplayer, onde uma fração de segundo significa a diferença entre ganhar e perder.

Esse ritmo extra rápido, de mover e matar, se presta melhor do que a maioria a pick-ups aleatórios e outros cenários “sozinhos, mas juntos”, mas muito da jogabilidade ainda se assemelha à maioria dos outros games de tiro. Embora os fãs de Quake e Unreal Tournament possam ver isso como um retorno à sua forma de jogo, os jogadores de COD que procuram seu próximo jogo “Team Deathmatch” podem se apaixonar por ele em pouco tempo.

Dos seis modos multiplayer, dois em particular se destacam. “Warzone”, uma variação de King of The Hill onde o ponto de controle se move ao longo de um caminho definido, e “Freeze Tag”, uma adaptação do jogo de playground em que equipes de seis lutam, mas os jogadores congelam em vez de morrer. A primeira equipe a ficar completamente congelada perde. Enquanto as rodadas de “team deathmatch” tendem a se arrastar em Doom, – muitos dos locais são um pouco grandes para 6 contra 6 – esses modos oferecem um único ponto de foco e encorajam os jogadores a pensar em novas formas estratégicas, que mantenha a jogabilidade atualizada, sem desacelerar as coisas. “Freeze Tag”, em particular, parece uma nova ideia verdadeiramente original, o que é uma conquista.

SnapMap

Doom: confira o review completo do game! – Foto: Reproduçao/ ML

O jogo também apresenta o SnapMap , uma plataforma simples, mas profunda, para criar e compartilhar níveis para um ou vários jogadores. O editor, que permite aos jogadores “encaixar” facilmente salas pré-fabricadas, é fácil de usar, mas oferece o tipo de profundidade que levará tempo para dominar. Para os níveis de um jogador, você pode configurar portas com portão e dar aos inimigos IA um pré-combate. No modo multijogador, você pode definir o caminho para a colina “Warzone” e outros pontos especiais. Os criadores de níveis podem ter dificuldade em fazer seus níveis se destacarem esteticamente, mas há profundidade suficiente para criar um nível interessante se você estiver disposto a investir tempo nele.

Conclusão

Doom: confira o review completo do game! – Foto: Reproduçao/ ÉTB

Doom faz a jogabilidade de um videogame de 23 anos parecer nova em 2016, o que pode ser a maior conquista de um videogame na atualidade. No entanto, um grande jogo encontra maneiras novas e interessantes de aprimorar seus pontos fortes e mitigar suas falhas. Doom faz o primeiro perfeitamente, mas fora do multiplayer, ele ignora o último. O modo single player de Doom nos convenceu de que podemos ter coisas boas demais – mesmo em um portátil como o Nintendo Switch. Felizmente, esses modos multijogador e edição de mapa amenizam a dor de sua campanha principal.

Perguntas Frequentes

Existe uma alternativa melhor?

A ação em ritmo acelerado e estilo arcade de Doom é única entre os jogos de tiro em primeira pessoa modernos. Dessa forma, você não encontrará nada parecido nas prateleiras das lojas.

Quanto tempo o game deve durar?

O modo campanha pode ser vencido em cerca de 12 horas, enquanto o multiplayer e o SnapMap (não disponível no Switch) podem estender seu tempo de jogo exponencialmente.

Você deveria comprar?

Sim. Se você está cansado das histórias super-sérias e do ritmo lento de franquias de atiradores como Call of Duty e Battlefield, Doom é exatamente o que você está procurando.

Gostou? O que achou? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. Basta clicar em “Canal do Telegram” que está localizado no canto superior direito da página!