O Ghost of Tsushima da Sucker Punch será lançado em 17 de julho de 2020. No entanto, é herdeiro de uma longa e ilustre tradição de videogames com temas de samurais.

Embora centenas de títulos nesse sentido tenham sido lançados ao longo dos anos, este tem uma chance de se destacar. Isso porque não é apenas um título de mundo aberto produzido de forma pródiga e possivelmente um dos últimos grandes lançamentos do PS4 antes do lançamento do PS5. O Ghost of Tsushima tem a chance de deixar sua marca graças ao seu cenário. Do qual abrange um período da história dos samurais que recebe relativamente pouca atenção da cultura pop: as invasões mongóis do Japão.

Ghost of Tsushima: Conheça a história por trás de um últimos lançamentos do PS4
Ghost of Tsushima: Conheça a história por trás do jogo – Foto: Reprodução/Siliconera

Fantasmas das invasões mongóis de Tsushima

As invasões mongóis foram um par de tentativas do império mongol do século XIII de subjugar o Japão. Nas duas vezes, os exércitos mongóis atacaram e saquearam a ilha de Tsushima. Que se trata de um centro comercial localizado quase exatamente entre as principais ilhas japonesas e a península coreana.

A primeira invasão, realizada em 1274, forma a base dos eventos de Ghost of Tsushima. O significado das invasões na história japonesa não pode ser subestimado: eles marcaram uma das únicas vezes na história registrada em que o Japão se defendeu contra uma invasão estrangeira. Isso como uma das poucas vezes em que um exército de samurais entraria em guerra contra um não-samurai inimigo.

Como a maioria das guerras, as invasões mongóis surgiram de um fracasso da diplomacia. Kublai Khan, neto de Genghis Khan e governante do Império Mongol, ainda estava no meio da conquista da China, quando sua dinastia Yuan estava em guerra contra a dinastia Song do sul. O Japão, através do governo Kamakura Shogunate, manteve laços diplomáticos e econômicos com o Song, fato que não foi perdido no Grande Khan. Ele enviou enviados, exigindo que o Japão se tornasse um vassalo do Yuan. Além disso, quando o Shogun rejeitou a oferta, ele ordenou que seus vassalos na Coréia (então conhecidos como Goryeo) construíssem navios e abastecessem soldados para uma invasão.

Fantasmas das invasões mongóis de Tsushima
Fantasmas das invasões mongóis de Tsushima – Imagem: The Samurai Sourcebook, Stephen Turnbull 1998

O Grande Khan avança

Uma frota maciça de 900 navios transportando um exército de mais de 40.000 soldados mongóis, chineses han, coreanos e Jurchen partiu de Happo, uma cidade portuária perto da atual cidade de Busan, na Coréia do Sul e atravessou o estreito.

A primeira parada da frota de invasão foi na ilha de Tsushima, governada pelo clã Sou. O líder do clã, Sukekuni Sou, encontrou os mongóis de desembarque perto de Komodahama com uma força de oitenta samurais montados e um número não especificado de soldados a pé. Eles foram rapidamente esmagados e mortos. Como o personagem principal de Ghost of Tsushima, Jin Sakai, é o único sobrevivente de um “massacre” no início do jogo. Essa batalha pode ter servido de inspiração para aquele momento.

Além da última posição de Sukekuni, a maioria dos registros amplamente disponíveis se concentra mais nos desembarques mongóis em Hakata do que em Tsushima. A maioria nota apenas que os mongóis devastaram Tsushima (e a ilha vizinha de Iki) por algumas semanas antes de seguir para o desembarque na baía de Hakata (perto da moderna cidade de Fukuoka) para enfrentar as forças reunidas pelos senhores locais sob as ordens do shogun.

Mesmo o fato de que os moradores de Tsushima e Iki provavelmente discordam, para os historiadores da época o saque dessas ilhas era uma nota de rodapé. Ou seja, um prelúdio para o “evento principal” que era a invasão propriamente dita.

A ocupação não foi pacífica

No entanto, é seguro concluir que a breve ocupação não foi pacífica: o documento histórico coreano de Goryeosa observa que o exército mongol (que incluía muitas tropas coreanas) matou um grande número de pessoas na ilha. Porém, os membros do clã Sou sobreviveriam para se reconstruir. Além disso, Sou se tornaria intermediários proeminentes nas relações Japão-Coréia, até a Restauração Meiji no século XIX.

A ocupação não foi pacífica
A ocupação não foi pacífica – Imagem: Komoda Shrine, Tsushima via The Mongol Invasions of Japan 1274 and 1281, Stephen Turnbull 2010

Ao desembarcar em Hakata, o exército mongol enfrentou resistência de samurais comandados por Tsunetsugu Dazai Shouni, governador regional. Os números, as vantagens tecnológicas e a experiência de combate dos mongóis colocaram as forças japonesas no pé das costas. Por isso, ao cair da noite, os invasores chegaram ao interior suficientemente longe para ameaçar Dazaifu, a capital regional.

No entanto, os mongóis se recusaram a pressionar sua vantagem. De acordo com o Yuan Shi, um histórico da Dinastia Yuan, fadiga crescente, potenciais reforços japoneses e o ferimento de Liu Fuxiang, um comandante mongol sênior, levaram os mongóis a reconsiderarem o avanço. Depois de queimar a cidade de Hakata, eles realizaram uma retirada tática. Dessa forma, optaram por passar a noite em seus navios antes de voltar para a Coréia.

A fortuna favoreceu ainda mais o Japão. Durante a noite, uma tempestade feroz se desenvolveu, arremessando muitos navios nas rochas e matando quase um terço do exército mongol. Isso, e uma tempestade que mais tarde impactaria a segunda invasão em 1281, ajudaram a reforçar a noção de kamikaze, um vento divino que protege o Japão.

A ocupação não foi pacífica
A ocupação não foi pacífica – Imagem: Mouko Shurai Ekotoba, Museum of Imperial Collections

O impacto dos ataques mongóis

As invasões mongóis tiveram um efeito duradouro na história dos samurais. Isso devido, principalmente, ao choque inicial que a abordagem mongol de combate proporcionou aos samurais em defesa. Segundo o Hachiman Gudoukun, uma “história pop” da época que continha registros da invasão, os exércitos mongóis avançaram em formações densas. Além disso, lançaram explosivos altos e defendidos por escudos de madeira.

Em comparação, a guerra de samurais da época era praticamente gentil, aberta por combates únicos e duelos de arco e flecha entre guerreiros de elite de ambos os lados. Os samurais se adiantariam para declarar seus nomes e conquistas, pedindo um adversário digno do lado oposto. Dessa vez, porém, os inimigos dos samurais não podiam falar japonês, muito menos honram os rituais da guerra de samurais que permaneceram praticamente inalterados desde o século 10.

O samurai seria forçado a mudar para corresponder a um inimigo desconhecido. Dessa forma, houve essa mudança de tradição para se adaptar a um novo status quo é, de certa forma, refletida na transição de Jin de “samurai” para o “fantasma” titular de Ghost of Tsushima.

O impacto dos ataques mongóis
O impacto dos ataques mongóis – Imagem: Reprodução/Siliconera

A Mudança do Samurai

As mudanças na doutrina samurai se estendem a mais do que apenas táticas. Ghost of Tsushima mostra Jin Sakai usando uma katana clássica japonesa em combate, mas, na realidade, isso é um anacronismo. Além disso, o design da “lâmina Sakai” mostrada no jogo só estaria em seus estágios iniciais de desenvolvimento no momento da chegada dos mongóis a Tsushima.

Os samurais do século XIII eram muito mais propensos a usar o tachi, uma forma anterior da espada japonesa. Refletindo o papel de um samurai como um guerreiro montado na época, os tachi eram espadas de cavalaria, com uma curva mais pronunciada em sua lâmina, ideal para cortar para baixo de uma sela. Tachi estava pendurado na armadura com as bordas apontadas para baixo, facilitando o desenho a cavalo.

Ironicamente, seriam as próprias invasões mongóis que estimulariam o desenvolvimento de espadas samurais na direção da katana. O samurai empunhado por Tachi encontrou dificuldade em combater os soldados mongóis a pé. Eles não podiam cortar a armadura de couro endurecido do inimigo sem que suas lâminas lascassem e quebrassem.

Para acomodar as mudanças nas condições do combate corpo a corpo, o tachi evoluiu para a katana. Sua lâmina era um pouco mais curta e menos curvada, tornando-a mais adequada para ataques de facadas e cortes em locais próximos, enquanto a pé. Em vez de serem penduradas, as katanas foram presas com uma faixa especial em volta da cintura, com a ponta apontada para cima, permitindo que um samurai habilidoso puxasse a espada e cortasse um inimigo em um único movimento suave.

Inconsistência histórica em Ghost of Tsushima

A própria Sucker Punch confirmou que está ciente dessa inconsistência histórica. Além disso, admitiu que alguns equipamentos e técnicas parecerão um pouco “fora do tempo”, adicionados ao serviço de dar vida à imagem mais popular dos samurais como espadachins especializados.

A imprecisão nos registros em torno do que realmente aconteceu em Tsushima naqueles dias é uma desculpa conveniente para esse tipo de tomada criativa de liberdade. A Sucker Punch e outros criadores de conteúdo podem alegar que não precisam se preocupar muito em contradizer detalhes históricos.

Por que vale a pena, os trailers de Ghost of Tsushima mostram Jin vestindo uma armadura mais precisa do período. Algumas de suas armaduras mostram as placas grandes e chatas dos ombros, distintivas das eras Heian e Kamakura do design das armaduras. As placas dos ombros eram ideais para a defesa contra flechas, de acordo com a especialidade samurai de pontaria precisa. Armaduras posteriores do período sengoku encolheriam as placas nos ombros para maior flexibilidade. Depois, adicionariam uma proteção mais espessa do tronco, graças à crescente expansão de armas de fogo no século XVI.

Independentemente disso, será interessante ver quais outros detalhes e pesquisas a Sucker Punch escolhe incorporar no Ghost of Tsushima e que outras liberdades ela escolhe tomar.

Inconsistência histórica em Ghost of Tsushima
Inconsistência histórica em Ghost of Tsushima – Imagem: Reprodução/Siliconera

Material adicional

Embora a mídia acessível em torno de Tsushima e as invasões mongóis seja incomum em comparação com outros períodos de samurais, ela existe. Se você estiver interessado em ver mais, considere verificar estas coisas:

As invasões mongóis do Japão 1274 e 1281

As invasões mongóis do Japão 1274 e 1281
As invasões mongóis do Japão 1274 e 1281 – Imagem: The Mongol Invasions of Japan 1274 and 1281, Richard Hook 2010

Parte da série de campanhas de mini-histórias militares e escritas pelo autor Stephen Turnbull, este livro fornece uma conta de volume único de fácil acesso de ambas as invasões, trazendo informações de fontes de ambos os lados do conflito . O livro está disponível na Amazon e via Osprey Publishing.

Total War: Shogun 2 – Rise of the Samurai

Estúdio baseado no Reino Unido A Creative Assembly se superou ao revisitar o cenário japonês para seu jogo de estratégia de 2011. Além disso, criou uma imagem sugestiva do Japão da era Sengoku. Mas a expansão Rise of the Samurai do jogo volta ainda mais, para as Guerras Gempei do século 11, as guerras que ajudaram a formar a própria ideia do samurai em primeiro lugar. O jogo está disponível no PC via Steam.

Angolmois: Record of Mongol Invasion

Esta série de anime pode ser o trabalho mais recente, relevante e acessível disponível para qualquer pessoa interessada em ler mais sobre Tsushima. Baseado em um mangá de Nakahiro Takagi, Angolmois é literalmente uma história sobre o que aconteceu quando os mongóis atacaram Tsushima em 1274.

Fortemente ficcionalizado, ele reproduz uma lenda popular de um “exército” de exilados e criminosos que se acredita ter ajudado o Os guerreiros do clã Sou resistem à ocupação mongol. Em certo sentido, os combatentes esfarrapados puxam seu próprio momento de Ghost of Tsushima, usando táticas de guerrilha e subterfúgios para minar os invasores numericamente superiores. Angolmois está transmitindo em Ani-One e Crunchyroll.

13 Assassinos e Zatoichi

Embora Ghost of Tsushima claramente pretenda evocar filmes clássicos de samurai com seus modos visuais de “cinema samurai”, aposto que o trabalho colorido de Takeshi Miike vive mais próximo do coração do jogo. A ultraviolência de 13 assassinos e anacronismos deliberados e estilizados de Zatoichi capturam o mesmo espírito que o jogo de Sucker Punch parece almejar: História como humor, em vez de um registro seco de eventos.

Nitiren e a Grande Invasão Mongol

Este filme de 1958 de Kunio Watanabe concentra-se nas aventuras de Nichiren, um lendário sacerdote budista e fundador de sua própria seita do budismo. Enquanto o filme em si se concentra mais nas peças de moral e no próprio Nichiren, ele captura o sentimento de crise que certamente acompanhou as notícias de que o Japão estava prestes a ser invadido pela superpotência mundial da época.

Ghost of Tsushima será lançado para o PS4 em 17 de julho de 2020.

Fonte: Siliconera

O que você achou da história por trás de Ghost of Tsushima? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. É só clicar no ícone azul da rede social ao lado!