A Microsoft emitiu uma nota direcionada ao governo americano pedindo o fim da separação de crianças de suas famílias na fronteira do país. A medida tomada pelo governo Trump tem sido alvo de inúmeras críticas por parte da imprensa local, internacional e até mesmo dentro do partido do próprio presidente, que por enquanto se mantém firme na decisão, e essa mesma imprensa teria questionado a Microsoft por permitir que o governo usasse seus serviços para ajudar a proliferar tais medidas.

Entenda o caso da política de Trump com relação a crise imigratória em questão

Em recentes declarações a jornalistas e em entrevista na Fox News, o presidente dos EUA, Donald Trump, não apenas manteve o argumento de que a separação de pais e filhos na fronteira dos EUA-México tem respaldo legal, como culpou os democratas pela implantação da suposta legislação. A separação de pais e filhos se deve, na verdade, pode ser atribuída à política de “tolerância zero” adota pela administração Trump na questão imigratória, porém, a interpretações diversas sobre o caso, pois, há quem defenda que a medida vem de Leis aprovadas no governo anterior e outros que ainda afirmam que não há repaldo legal… Trump afirma categoricamente que esta apenas cumprindo uma Lei já existente.

A separação é temporária, no entanto, os traumas que ela traz podem se tornar permanentes

No caso, “Tolerância zero” significa que quando se descobre uma família entrando de forma clandestina dos Estados Unidos, os pais são detidos e processados penalmente, mesmo se não tiverem antecedentes criminais em seus países de origem. É neste momento que as crianças são separadas dos seus responsáveis. Se bem que não há muito o que fazer, haja vista que enquanto os pais são presos, para onde iriam as crianças? A separação ocorre porque o pais são detidos, conforme prevê os trâmites por lá.

Qual a relação da Microsoft nesse cenário todo?

Não se sabe claramente se há uma relação entre tudo o que está ocorrendo nos EUA e sua crise imigratória com serviços da Microsoft… e cremos que foi por isso que eles emitiram uma nota sobre o assunto.

Em janeiro deste ano, a Microsoft anunciou que o Departamento de Imigração e Alfândega dos EUA (ICE) estava usando o serviço de nuvem Azure da empresa para fins de “reconhecimento e identificação facial”.

“Estamos orgulhosos em apoiar este trabalho”, disse um representante da Microsoft na época.

Resultado de imagem para microsoft azure face recognition

Agora, a Microsoft está sendo criticada por essa parceria; como essa mesma agência federal, a ICE, tem ajudado as autoridades dos EUA a realizar a separação de famílias detidas na fronteira EUA-México, se supôs que a paralelamente a isso a Microsoft também estaria fazendo o mesmo. Na mídia social, os críticos pediram a Microsoft que a mesma abandonasse o contrato do governo, na tentativa de ajudar no recuo das medidas adotadas pelo governo Trump ou mesmo de minar suas ações.

Depois de muita polêmica e informações desencontradas, a Microsoft emitiu uma nota oficial sobre o assunto que você lê a seguir na íntegra:

In response to questions we want to be clear: Microsoft is not working with U.S. Immigration and Customs Enforcement or U.S. Customs and Border Protection on any projects related to separating children from their families at the border, and contrary to some speculation, we are not aware of Azure or Azure services being used for this purpose. As a company, Microsoft is dismayed by the forcible separation of children from their families at the border. Family unification has been a fundamental tenet of American policy and law since the end of World War II. As a company Microsoft has worked for over 20 years to combine technology with the rule of law to ensure that children who are refugees and immigrants can remain with their parents. We need to continue to build on this noble tradition rather than change course now. We urge the administration to change its policy and Congress to pass legislation ensuring children are no longer separated from their families.

Tradução:

“Em resposta a perguntas, queremos deixar claro que: a Microsoft não está trabalhando com a Imigração e Alfândega dos EUA nem com a Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA em projetos relacionados à separação de crianças de suas famílias na fronteira e, ao contrário de algumas especulações, não estamos cientes do uso de serviços do Azure ??para essa finalidade. Como empresa, a Microsoft está consternada com a separação forçada de crianças de suas famílias na fronteira. A unificação familiar tem sido um princípio fundamental da política e das Leis americanas desde o final da Segunda Guerra Mundial. Como empresa, a Microsoft trabalha há mais de 20 anos para combinar tecnologia com o estado de direito para garantir que as crianças que são refugiadas e imigrantes possam permanecer com seus pais. Precisamos continuar construindo essa nobre tradição, em vez de mudar de rumo agora. Pedimos que administração mude sua política e que o Congresso aprove uma legislação que garanta que as crianças não sejam mais separadas de suas famílias.”

Enfim, a Microsoft afirma que não tem nenhuma relação com a identificação dos imigrantes e que ao que parece nenhum dos seus serviços está sendo usado para esse fim, nem mesmo o Azure.

Nós do Windows Team também esperamos que o governo dos EUA encontre outras formas de desencorajar novos imigrantes de entrarem no país, pois, certamente esta não é a melhor medida, até porque é sabido de todos que a maior parte dessas pessoas estão apenas em busca de uma vida melhor e nada mais.

Fonte: PCMAG e Microsoft  Obg ao Dente Preto pela dica 😉