Não há muito espaço para novatos no gênero de jogos de luta. Dessa forma, franquias veteranas como Street Fighter, Tekken, Mortal Kombat e Guilty Gear dominaram o espaço por anos. Portanto, os novos desafiadores que optam por entrar no “ringue” geralmente têm o apoio de uma licença popular. Granblue Fantasy Versus é exatamente esse tipo de lutador novato. É baseado em uma propriedade que é incrivelmente popular no Japão graças a um jogo móvel bem-sucedido de “gacha” (máquina de venda automática de cápsula de brinquedo) com ganchos de RPG, mas relativamente desconhecido em qualquer outro lugar. Portanto, Versus é, para todos os efeitos, a estreia de Granblue Fantasy no cenário mundial.

Veja também o review completo de Nioh 2!

Mecânica de jogo

Granblue Fantasy versus: confira o review do game! - Foto: Reprodução/Game Spot
Granblue Fantasy versus: confira o review do game! – Foto: Reprodução/Game Spot

Desenvolvido por Arc System Works – conhecido por excelentes adaptações de jogos de luta de Dragon Ball Z e Persona 4 – Granblue Fantasy Versus tem um núcleo forte graças à mecânica de jogo pouco ortodoxa que equilibra delicadamente profundidade com acessibilidade, enquanto introduz novas ideias interessantes. Os floreios extras que servem como um aceno para os fãs ou visam aderir às raízes do RPG ocasionalmente, mas a experiência como um todo se mantém graças à força de seus fundamentos.

A ArcSys fez progressos para melhorar a acessibilidade de seus lutadores de anime mais com entradas mais simples e sistemas mais fáceis de entender, mas para Granblue Fantasy Versus, ele se afastou do ritmo alucinante, estilo de jogo agressivo e voltado para o ar dos lutadores de anime para algo mais tradicional. 

Como um jogo de luta baseado em solo, o Versus tem um ritmo de jogo muito mais lento e concentra-se mais nos movimentos normais e especiais em vez de assistências de parceiros e combos de toque mortal. Nesse aspecto, pode ser comparado mais de perto aos jogos de luta da Capcom, como Street Fighter. A ênfase está em sincronizar e espaçar seus ataques de maneira adequada para criar oportunidades de acompanhamento ou configurar situações em que você tenha uma vantagem, mas não necessariamente uma vitória quase garantida. 

Não é um jogo difícil de aprender

Granblue Fantasy versus: confira o review do game! - Foto: Reprodução/Game Spot
Granblue Fantasy versus: confira o review do game! – Foto: Reprodução/Game Spot

Em um nível superior, trata-se de footsies, mixups executados com precisão, uso inteligente da sobrecarga universal e a armadilha de quadro ocasional. Para os recém-chegados – provavelmente muitos, dada a popularidade do Granblue Fantasy – é um terreno muito mais estável para se encontrar. Veteranos de jogos de luta naturalmente terão uma vantagem, mas para todos os outros, a montanha não parece tão íngreme de escalar, então a ideia de trilhar o caminho para a maestria é muito mais convidativa.

Auto-combos, uma mecânica comum nos jogos ArcSys, foram incluídos, o que significa que um novato completo pode pegar um controle e pressionar um botão de ataque repetidamente para executar combos básicos. Essas sequências de ataques são eficazes, mas limitadas em danos e aplicabilidade sem a adição de movimentos especiais a uma sequência.

E é aqui que Granblue Fantasy Versus começa a lançar ideias únicas que criam lutas interessantes a cada momento, mas também incorporam o espírito de como um RPG é jogado. Movimentos especiais são executados em uma de duas maneiras, a primeira sendo uma combinação tradicional de movimentos direcionais e apertos de botão – um quarto de círculo para frente e o ataque irá, na maioria dos casos, executar um projétil se o personagem tiver um, por exemplo. No entanto, também existem atalhos mapeados para botões – você pode realizar o mesmo ataque de projétil apenas pressionando o botão R1. Para cada personagem, movimentos especiais são mapeados para R1 ou R1 mais um botão direcional. Cada um desses movimentos especiais passa para o resfriamento após ser usado, com a duração do resfriamento sendo maior se você usar o atalho para executá-lo. Esta é a ArcSys.

Imprevisibilidade

Granblue Fantasy versus: confira o review do game! – Foto: Reprodução/Game Spot

Este sistema também cria um meta-jogo bastante interessante que confere um grau de imprevisibilidade às lutas, especialmente em níveis mais altos. Na maioria dos jogos de luta tradicionais, existem certos sinais que fornecem a um jogador experiente alguma indicação do que está para acontecer. Pegue um personagem de carga como M. Bison de Street Fighter, por exemplo. Se você vê-lo mudando de um jeito ou de outro por muito tempo, sabe que ele pode desencadear um certo movimento especial e pode tentar preparar seu próximo movimento de acordo. Esse não é o caso em Granblue Fantasy Versus, entretanto, uma vez que os comandos de atalho podem executar movimentos especiais instantaneamente.

Isso significa que a pequena cavaleira Charlotta pode ir de andar em sua direção arrastando uma espada um pouco grande para ela para se lançar no ar para desferir um golpe esmagador sobre a cabeça, sem precisar atacar para trás primeiro e entregar o que ela esta prestes a fazer. E você precisa reagir em um instante. Da mesma forma, o terrível gigante Vaseraga pode ser um pouco menos assustador quando está do outro lado da tela, mas a qualquer segundo ele pode vir em sua direção para fazer uma “verificação de ombro” devastadora por causa de uma entrada instantânea. O mesmo pode ser dito de todos os outros movimentos especiais do jogo.

Parece um pesadelo com o qual lidar e, admito, pode ser. Mas também cria uma dinâmica realmente fascinante que não foi muito explorada no passado. Jogos como Smash Bros. e Capcom vs. SNK 2 EO também tem esses tipos de opções de entrada fáceis, mas raramente é considerado na forma como um jogo é jogado de forma tão significativa quanto no Granblue Fantasy Versus. 

Mecânicas familiares

Granblue Fantasy versus: confira o review do game! - Foto: Reprodução/Game Spot
Granblue Fantasy versus: confira o review do game! – Foto: Reprodução/Game Spot

O sistema de resfriamento em camadas sobre os atalhos apresenta momentos de tomada de decisões estratégicas onde você pesa os prós e os contras de usar atalhos em versus e ter uma habilidade temporariamente retirada do jogo e por quanto tempo ela está indisponível. Tal como acontece com muitos aspectos dos jogos de luta, no início da vida do jogo é difícil fazer um julgamento definitivo sobre o escopo dos sistemas e da mecânica,

Granblue Fantasy Versus tem uma série de outras mecânicas familiares escolhidas a dedo ao longo da história do gênero. A esquiva localizada permite que os ataques sejam contornados com o pressionar de um botão, enquanto também há várias opções de proteção. Se as entradas direcionais forem usadas para proteger manualmente alto e baixo, bem como cruzamentos, o Just Defense estará disponível com o tempo adequado. No entanto, se o botão de proteção dedicado for usado, torna-se possível sair correndo – e através, em alguns casos – ou voltar correndo. 

O botão de guarda dedicado também torna o bloqueio de cross-ups mais consistente, mas o Just Defense fica indisponível. Mais uma vez, Granblue Fantasy Versus pede que você pondere se deseja adotar a abordagem mais fácil ao custo de algumas vantagens ou trabalhar para obter mais retorno. O que eu mais gostei foi tentar entender usando os dois no momento certo – me envolvendo com o lado técnico do jogo quando me sinto confiante, mas depois mudando para as opções mais simples quando estou me sentindo sobrecarregado ou quero estar mais seguro.

Um conjunto de mecânica de jogo robusto

Granblue Fantasy versus: confira o review do game! – Foto: Reprodução/Game Spot

É como ser capaz de fazer malabarismos com duas bolas, mas depois ter uma terceira jogada na mistura. Eu sei como fazer, só preciso me coordenar melhor para levar em conta a nova variável e acertar o tempo e o ritmo. O processo de tentar aprimorar as habilidades necessárias para fazer isso tem sido gratificante.

Tudo isso quer dizer que, fundamentalmente, Granblue Fantasy Versus tem um conjunto robusto e intrínseco de mecânica de jogo de luta que é fácil de entender e oferece muita profundidade para explorar para aqueles que continuam “cavando”. 

Modo RPG Quest

Granblue Fantasy versus: confira o review do game! – Foto: Reprodução/Game Spot

É uma pena, então, que o jogo não aproveite a jogabilidade um-a-um projetada para seu modo RPG Quest e, em vez disso, dependa de um esmagamento superficial de botões. Funcionalmente, este modo serve a vários propósitos: apresenta aqueles que não estão familiarizados com a franquia ao mundo e seus personagens, conta sua própria história única e ensina os fundamentos de como jogar. Infelizmente, ele não consegue fazer nada disso de maneira satisfatória, ao mesmo tempo que opta por diminuir tudo o que realmente torna divertido jogar.

As batalhas neste modo parecem e se parecem mais com a versão móvel de RPG do Granblue Fantasy, mas não é baseado em turnos. Em vez disso, você tem controle direto sobre os personagens e deve despachar ondas de inimigos em algo que pareça algo entre um clássico side-scrolling beat-em-up e o Modo de Força de Tekken. No entanto, os inimigos apresentam pouco ou nenhum desafio. Além disso, eles também têm pouca saúde, então geralmente podem ser mortos com alguns ataques fortes. Como resultado, há poucos motivos para usar algumas das ideias mais interessantes do Granblue Fantasy Versus. Claro, você pode usar movimentos especiais para combater os inimigos, mas por que fazer isso quando apenas enviar vários socos com um único botão de ataque já dá conta do recado? Ocasionalmente, os chefes aparecem, mas eles não são muito assustadores.

Os personagens

Granblue Fantasy versus: confira o review do game! – Foto: Reprodução/Game Spot

Outros membros do elenco do jogo de luta foram corrompidos e desviados como parte da história do jogo, e você os encontra em sua jornada. Para tirá-los de seu “estupor”, você precisa dar uma surra neles e, nesses encontros, as batalhas tomam a forma da típica luta um contra um em Granblue Fantasy Versus. No entanto, esses personagens estão principalmente lá para serem colocados em um saco de areia para que possam ser adicionados ao seu grupo. 

A jogabilidade insatisfatória torna o clichê e esquecível história sobre um bando de piratas do céu libertando seus amigos do mal e lutando contra um império do mal ainda mais cansativo de se jogar. 

Eu realmente queria me preocupar com os personagens. A protagonista, Gran, de fato tem um visual shounen anime e charme que eu gosto. Lowain é muito estranho, cara de espírito livre com orelhas de gato que chama seus companheiros para a batalha para dar pequenos tiros atrevidos, e ele também invoca Yggdrasil, uma Besta Primal que é basicamente uma senhora gigante que intimida seus inimigos. Depois, há arquétipos como o cavaleiro legal Lancelot e o arrogante menino fogo Percival. Como alguém que favorece personagens de carga, eu realmente gostei de Charlotta, que é surpreendentemente cruel, devido ao seu design pequeno e fofo. Todos eles são visualmente atraentes, mas o modo de história não faz absolutamente nada por eles. 

Suas caracterizações são tênues, na melhor das hipóteses, em uma história que oscila entre obtusa e mecânica. E quando a jogabilidade está pontuando isso não é gratificante, é difícil recomendar sentar e assistir. 

Elementos Gacha

Granblue Fantasy versus: confira o review do game! – Foto: Reprodução/Game Spot

O modo RPG Quest também é onde os elementos gacha do jogo móvel Granblue Fantasy aparecem. Você desbloqueia armas exclusivas para completar as missões da história principal, mas não consegue realmente usar nenhuma delas. Em vez disso, todos elas são jogados em você e seu poder combinado aumenta os atributos de ataque de seu personagem. Os inimigos têm alinhamentos elementais, e usar os oponentes concederá dano bônus, mas criar loadouts manualmente consome tempo e é desnecessário quando existe uma opção para automatizar e otimizar. Não há nenhuma razão real para pensar demais em loadouts, já que o alinhamento elemental é o único fator importante em jogo, então permitir que o jogo simplesmente coloque um ideal é o melhor curso de ação. No final das contas, os elementos gacha acabam sendo uma novidade descartável, em vez de uma ruga valiosa para a jogabilidade.

Modo de treinamento e online

Granblue Fantasy versus: confira o review do game! – Foto: Reprodução/Game Spot

Granblue Fantasy Versus tem um conjunto abrangente de missões de treinamento que cobrem tudo, desde movimentos básicos e especiais até combos avançados, estratégias e combinações específicas. Todo e qualquer tempo gasto lá é mais valioso do que no modo RPG Quest, especialmente porque é o que será testado quando você entrar online. Atualmente, os servidores do jogo não estão tão ocupados como estavam após o lançamento, mas durante o tempo que passamos jogando online a experiência foi geralmente tranquila. Ocasionalmente, problemas podem ser atribuídos ao confronto com jogadores fora do nosso território local, mas caso contrário, não houve nenhum problema de rede “perturbador”.

Conclusão

Granblue Fantasy versus: confira o review do game! - Foto: Reprodução/Game Spot
Granblue Fantasy versus: confira o review do game! – Foto: Reprodução/Game Spot

Granblue Fantasy Versus apresenta um conjunto de sistemas que são distintos e únicos sem colocar obstáculos desnecessários para aqueles que estão aqui apenas para obter uma correção de Granblue. Arc System Works combinou RPG e mecânica de jogos de luta de maneira inteligente, e a maneira que se manifesta nas principais batalhas um-a-um é realmente emocionante. Em outros aspectos, como o modo história da campanha e seus estilos de gacha, ele deixa muito a desejar. Ao trazer Granblue para o mundo, Arc System Works não deu o seu melhor, mas Versus é definitivamente um jogo onde você pode vir para a fantasia e ficar para a luta.

Gostou? O que achou? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. É só clicar em “Canal do Telegram” que está localizado no canto superior direito da página!