Iron Harvest é um exercício de trinta horas de auto-suficiência. Oh! Você acha que um atirador de elite com um urso de estimação é legal, não é? Então que tal um tambor de óleo ambulante armado com duas metralhadoras pesadas?  Você acha isso legal hein? E que tal um transportador de pessoal quadrúpede que atira morteiros para fora de seu telhado? OH! Você acha que ISSO é legal? Então que tal um maldito TREM DE BATALHA? Sim, você me ouviu.

Veja também o review completo de Spelunky!

A abordagem do jogo para o entretenimento é uma avalanche de admiração, enterrando seu cinismo em uma pilha de brinquedos cada vez mais poderosos que o farão sorrir como um certo gato de um determinado condado inglês. É difícil não gostar de si mesmo, mesmo com uma história escrita de forma desajeitada e um mecanismo de estratégia subjacente que precisa de mais óleo nas engrenagens.

Um game de estratégia

Iron Harvest: confira o review completo do game! - Foto: Reprodução/ PC Gamer
Iron Harvest: confira o review completo do game! – Foto: Reprodução/ PC Gamer

Iron Harvest graduou-se na escola de estratégia em tempo real de relíquias por volta de 2006. Uma partida padrão mostra você lutando por pontos de controle de geração de recursos espalhados pelo mapa. Além disso, o objetivo final do modo é destruir o quartel-general inimigo. A construção e manutenção da base são simplificadas para exigir o mínimo de atenção, de modo que o jogo possa se concentrar quase inteiramente no combate e na conquista.

A fórmula básica se mantém próxima à estabelecida em Company of Heroes, mas há uma diferença crucial – o cenário. Iron Harvest ocorre em uma década de 1920 alternativa feita pelo artista polonês Jakub Ró?alski, mas que antes foi usada para o jogo de tabuleiro Scythe aclamado pela crítica. Sua história gira em torno de três facções que emergiram da versão Iron Harvest da Primeira Guerra Mundial. Essas três facções são a Saxônia, Rusvia e Polania. Iron Harvest se concentra no rescaldo da guerra, onde uma frágil trégua entre a Saxônia e a Rusvia ameaça desabar sob a pressão de uma cabala sombria de instigadores maliciosos.

Uma realidade alternativa

Iron Harvest: confira o review completo do game! – Foto: Reprodução/ PC Gamer

Neste mundo, o czar Nicolau II ainda está vivo, assim como seu melhor amigo, Rasputin. A revolução de 1917 nunca aconteceu e, em vez de se tornar um estado independente no final da guerra, a Polânia está sujeita ao governo russo. Há uma outra pequena diferença também, os mechs. Caminhantes de combate imponentes movidos a diesel armados até os dentes com armas da era da Primeira Guerra Mundial. Máquinas, lança-chamas, artilharia e Iron Harvest pegam os terríveis armamentos da Grande Guerra e lhes dão pernas.

Os mechs são, sem dúvida, a atração principal de Iron Harvest. Portanto, é crédito do desenvolvedor que eles são tão gratificantes de comandar. Os designs são fenomenais, variando da “Smialy Polanian”, uma espécie de caldeira armada que carrega um enorme rifle de ferrolho, até o quase imparável “Rusvian Gulay-Gorod”, uma enorme plataforma de artilharia bípede que pode destruir edifícios inteiros simplesmente passando por eles. O detalhe emprestado a essas máquinas gigantes de guerra é encantador, principalmente a animação. Os mechs do Iron Harvest são criações desajeitadas e trôpegas com motores a diesel que fazem toda a máquina oscilar, como se estivessem constantemente à beira de entrar em colapso ou explodir. Além disso, eles parecem desafiar a física em cada momento de sua existência, e isso os torna emocionantes de assistir em movimento.

O combate do jogo é espetacular

Iron Harvest: confira o review completo do game! - Foto: Reprodução/ PC Gamer
Iron Harvest: confira o review completo do game! – Foto: Reprodução/ PC Gamer

Quanto ao combate, um “Meu Deus” serve para mostrar o quanto é bom. O espetáculo de qualquer partida Iron Harvest é fenomenal. As partidas começam pequenas, com esquadrões de atiradores trocando tiros da cobertura enquanto correm para capturar os primeiros pontos de controle. Em seguida, ele coloca em camadas mais avançados de infantaria. Dessa forma, granadeiros que podem destruir unidades de cobertura e aleijar com uma granada bem posicionada, e metralhadores que podem localizar unidades inimigas e criar pontos de estrangulamento no mapa começam a aparecer. 

Pouco depois, os mechs começam a aparecer, principalmente anti-infantaria no início, mas logo o combate é mech sobre mech. Dessa forma, elas são máquinas mortíferas gigantes trocando enormes tiros de canhão que deixam setores inteiros marcados por crateras e reduzem edifícios a escombros. O som de Iron Harvest em pleno andamento é tremendo. Não consigo decidir se os designers de áudio merecem uma medalha ou apenas uma parabenização por criarem uma paisagem infernal “cacofônica”.

O modo campanha

Iron Harvest: confira o review completo do game! - Foto: Reprodução/ PC Gamer
Iron Harvest: confira o review completo do game! – Foto: Reprodução/ PC Gamer

Iron Harvest adora jogar com escala, e isso vale tanto para sua campanha quanto para partidas individuais. Embora eles se juntem perfeitamente em uma história, na verdade existem três campanhas, cada uma focando em uma facção diferente. A campanha polaniana, por exemplo, mostra a história da resistência do país contra a ocupação Rusviet, enquanto a jovem lutadora da resistência Anna Kos tenta resgatar seu pai do malvado general Zubov. É uma experiência surpreendentemente cinematográfica também, com missões encerradas por cutscenes meticulosamente dirigidas contando a história do conflito de três vias. É um empreendimento impressionante repleto de reviravoltas que o elevam além de uma história de guerra direta, embora personagens comuns e um cheiro de queijo no roteiro dificultem suas aspirações narrativas.

No jogo, a campanha intercala combates RTS familiares com missões mais focadas em personagens, com cada uma aumentando gradualmente sua lista de unidades de infantaria solitária a todas as suas forças combinadas. Às vezes, eles misturam os dois. Um de seus exemplos mais exclusivos mostra você tentando proteger um trem cheio de suprimentos enquanto ele segue seu caminho através de um vale da Polânia, enquanto uma das primeiras missões de Rusviet envolve esgueirar-se por São Petersburgo, juntando-se a forças espalhadas de Rusviet enquanto você gradualmente trabalha em direção ao Palácio de Inverno. A variedade imbuída na campanha resulta em alguns cenários mais fracos, no entanto. Dessa forma, uma missão no meio da campanha de Rusviet inclui stealth instantâneo, o que é excepcionalmente frustrante.

Como todo jogo, nem tudo é perfeito

Iron Harvest: confira o review completo do game! – Foto: Reprodução/ PC Gamer

Existem outros problemas também. No nível de infantaria, Iron Harvest emprega um sistema de cobertura muito parecido com Company of Heroes, com círculos verdes destacando quando seu personagem pode se esconder atrás das paredes. Mas o sistema é irregular sobre o que conta como cobertura, enquanto os mapas não são realmente construídos para gerar fogo e mover mecânicos.  Para agravar a situação, quando apanhada fora de cobertura, a infantaria de IA tende a correr diretamente para a sua linha, em vez de recuar para uma posição defensiva, o que pode tornar os encontros com a infantaria instáveis ??e insatisfatórios.

É uma pena que o sistema de cobertura seja um pouco aleatório, porque caso contrário, o início do jogo de Iron Harvest para o meio do jogo tem muitas nuances táticas. Ao lado dos mechs anti-infantaria, há a infantaria anti-mech que pulveriza armaduras com canhões enormes. Unidades de fogo de todos os tipos aniquilarão totalmente a infantaria, mas são muito menos eficazes contra mechs. Além disso, os Mechs também sofrem mais danos quando atacados pela retaguarda, encorajando você a flanqueá-los ou a usar a infantaria para lançar explosivos atrás deles.

Estruturas defensivas como bunkers são extremamente úteis para impedir seu oponente de assediar sua base com infantaria e mechs menores, enquanto manter um grupo de engenheiros com seus mechs permite que eles executem reparos no campo e os mantenha na luta por mais tempo. Por fim, a infantaria mantém um papel fundamental quando os mechs maiores são lançados.  Apenas a infantaria pode capturar pontos de controle e também pode colher recursos de mechs destruídos (tanto seus quanto dos oponentes), permitindo que você coloque novas unidades em campo de forma mais rápida.

Um problema dentro do maior acerto

Iron Harvest: confira o review completo do game! – Foto: Reprodução/ PC Gamer

Tudo isso funciona bem em uma escala menor, mas a principal característica do jogo, aqueles mechs massivos que destroem a cidade, são indiscutivelmente a fonte do maior problema do Iron Harvest. Mecanismos maiores são tão lentos e poderosos que as táticas tendem a sair pela “janela” quando eles se envolvem, então as lutas dependem principalmente de quem tiver a maior arma. Além disso, sua velocidade lenta também desacelera o jogo final para um rastreamento. Um mecanismo maior pode levar de cinco a dez minutos para cruzar o mapa, tanto tempo que a situação costuma mudar quando ele chega ao destino. Se aquele mecanismo falhar em seu objetivo e for destruído, você terá que passar por toda a luta novamente.

Conclusão

Iron Harvest: confira o review completo do game! – Foto: Reprodução/ PC Gamer

É importante notar que as facções são bem equilibradas e as batalhas raramente são assuntos unilaterais. Mas essa guerra de desgaste combinada com unidades de movimento lento significa que as partidas podem se arrastar incessantemente, menos “build ‘n’ rush” e mais “build ‘n’ plod”.

Não estou dizendo que Iron Harvest deveria ser Starcraft. Eu não espero que um “mech” da 1ª Guerra Mundial movido a diesel se mova como um animal rápido. Mas se beneficiaria de fazer tudo resolver um pouco mais rápido, reduzindo o tempo de inatividade de coleta de recursos no mapa e manobra de mechs em posição. Dito isso, Iron Harvest ainda é um RTS espetacular e sólido como uma rocha – um digno sucessor espiritual de um dos melhores jogos RTS já feitos.

Fonte: PC Gamer

Gostou? O que achou? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. É só clicar em “Canal do Telegram” que está localizado no canto superior direito da página!