Adicionar uma unidade de estado sólido (SSD) ao seu computador é simplesmente uma das melhores atualizações à sua disposição. Dessa forma, essa atualização é capaz de acelerar o seu computador de maneiras que você nunca imaginou ser possível. Mas, como acontece com qualquer “nova” tecnologia, há muito o que aprender. Portanto, aqui está tudo o que você deve saber sobre seu SSD. Confira:

Veja também quais são as diferenças entre o SSD e o HDD!

O que é uma unidade de estado sólido (SSD)?

O que é SSD? Entenda mais sobre o assunto! - Foto: Reprodução/Life Hacker
O que é SSD? Entenda mais sobre o assunto! – Foto: Reprodução/Life Hacker

Uma unidade de estado sólido (SSD) é um dispositivo de armazenamento de dados para o seu computador. No uso diário, ele fornece a mesma funcionalidade de uma unidade de disco rígido (HDD) tradicional. Na verdade, você nem saberia se está usando um SSD ou HDD se não fosse pelas diferenças em como eles funcionam. 

Dessa forma, os HDDs armazenam seus dados em pratos giratórios de metal e, sempre que seu computador deseja acessar alguns desses dados, um pequeno componente em forma de agulha (chamado de “cabeça”) se move para a posição dos dados e os fornece ao computador. A gravação de dados em um HDD funciona de maneira semelhante, em que as peças estão em constante movimento. 

Os SSDs, por outro lado, não se movem. Dessa forma, eles armazenam seus dados em blocos. Quando o computador deseja alguns desses dados, o SSD apenas diz “ok, aqui está.” Esta é uma explicação simplificada, é claro, mas você deve ter notado que o processo do SSD parece um pouco mais direto e eficiente. É, e a velocidade é a principal vantagem de um SSD sobre um HDD tradicional. Isso torna um SSD a melhor atualização individual para o seu computador, se você estiver procurando uma maneira de torná-lo mais rápido.

Um novo SSD pode acelerar seu computador de várias maneiras:

  • Os tempos de inicialização serão reduzidos significativamente;
  • A abertura de aplicativos ocorrerá em um instante;
  • Salvar e abrir documentos não causa atraso;
  • As velocidades de cópia e duplicação de arquivos irão melhorar;
  • No geral, seu sistema parecerá muito mais ágil.

As desvantagens do SSD

O que é SSD? Entenda mais sobre o assunto! - Foto: Reprodução/Zoom
O que é SSD? Entenda mais sobre o assunto! – Foto: Reprodução/Zoom

Os SSDs têm suas desvantagens, no entanto. Para começar, um SSD não armazenará tantos dados quanto um HDD do mesmo preço. Dessa forma, por preços semelhantes, você pode comprar um SSD de 120 GB ou um HD de 2 TB. Essa é uma enorme diferença de custo, e a diferença só aumenta à medida que você compara unidades maiores. Felizmente, não é uma proposição de tudo ou nada. 

Nos dias de armazenamento em nuvem e streaming de mídia, os SSDs oferecem muito espaço para a maioria das pessoas. Para aqueles que precisam de mais armazenamento do que o preço acessível com um SSD, SSDs e HDDs podem coexistir no mesmo sistema, para que você possa aproveitar os benefícios de velocidade de um SSD sem sacrificar o armazenamento.

Como escolher o SSD certo?

O que é SSD? Entenda mais sobre o assunto! - Foto: Reprodução/Blog BringIT
O que é SSD? Entenda mais sobre o assunto! – Foto: Reprodução/Blog BringIT

Escolher a unidade de estado sólido certa para você não é difícil, mas o processo pode ser um pouco complicado com tantas marcas disponíveis. Portanto, aqui, mostraremos o que você deseja procurar ao escolher uma unidade.

Todos os SSDs são rápidos e parecerão uma ótima atualização de um HDD, mas quando você está gastando muito mais dinheiro em uma unidade que oferece menos armazenamento, você deseja que ela seja uma das melhores. Além disso, você também quer uma peça de hardware confiável, e ambos são bastante difíceis de avaliar se você tiver pouca experiência com a tecnologia. Dessa forma, aqui estão as qualidades que você deseja procurar em um SSD ao fazer compras:

Altas velocidades máximas

Altas velocidades de leitura estão em torno de 400 MB/segundo, e velocidades de gravação max estão em torno de 300 MB/seg. Esses números não precisam ser exatos. Um pouco mais rápido ou mais lento não fará diferença significativa.

Boas velocidades do “mundo real”

Os fabricantes de SSD geralmente não fornecem velocidades de leitura e “gravação do mundo real”, pois são garantidamente mais lentas do que o máximo. Felizmente, muitas análises online contêm resultados de testes de velocidade. Na Amazon, você costuma encontrar usuários que postaram capturas de tela de seus resultados de teste (aqui está um exemplo). Ver esses dados muitas vezes pode ser desanimador, porque as taxas do mundo real são um pouco mais baixas. 

Se os resultados do teste revelarem velocidades de leitura e gravação de cerca de 2/3 do máximo, você está pronto para prosseguir. Caso você aplicar isso às nossas velocidades máximas acima, isso resulta em velocidades de leitura de cerca de 265 MB/s e velocidades de gravação de cerca de 200 MB/s. Se você deseja descobrir se um SSD mais caro vale o dinheiro, suas velocidades de teste no mundo real serão maiores que 2/3 de suas capacidades máximas relatadas.

Memória flash NAND de célula multinível (MLC)

Ao comprar SSDs, você encontrará dois tipos de memória: célula multinível (MLC) e célula de nível único (SLC). A principal diferença é que a memória MLC pode armazenar mais informações sobre cada célula. Dessa forma, a vantagem aqui é que é mais barato de produzir e o SLC costuma ter um custo proibitivo para o consumidor médio. A desvantagem é uma taxa de erro mais alta, mas um SSD com código de correção de erros pode ajudar a evitar esses problemas.

Suporte SATA III

A maioria dos SSDs usa a interface Serial ATA (SATA), mas nem todos usam a versão mais recente e isso pode limitar o desempenho do SSD. Isso ocorre porque SATA I pode transferir dados a 1,5 Gbps, SATA II a 3,0 Gbps e SATA III a 6 Gbps. Para garantir que seu SSD tenha largura de banda suficiente para transferir dados o mais rápido possível, você deseja que ele seja compatível com SATA III. Além disso, você também vai querer ter certeza de que seu computador é compatível com SATA III. Caso contrário, as unidades compatíveis com SATA III ainda funcionarão, pois todas as versões de SATA são compatíveis com versões anteriores. Saiba que você pode não obter o máximo do seu SSD se o seu computador não suportar a especificação SATA mais recente.

Memória ECC 

A memória com código de correção de erros (ECC) faz o que o nome indica: fornece ao SSD a capacidade de detectar e corrigir tipos comuns de corrupção de dados para que você não fique com dados inutilizáveis ??em sua unidade. Dessa forma, um SSD com memória ECC é mais confiável.

Uma história de confiabilidade

A confiabilidade é algo muito difícil de avaliar, mas existem alguns truques que você pode empregar para ter uma boa ideia. Primeiro, procure um SSD feito por um fabricante que já está no mercado há algum tempo. A tecnologia é relativamente nova, então você não quer ir com qualquer empresa que recentemente decidiu entrar no movimento do estado sólido. Além disso, observe a classificação que cada SSD recebe em avaliações de compras online. Se for classificado como 3,5 de 5,0 ou superior, isso geralmente indica uma unidade confiável. Por outro lado, quando as classificações são mais baixas, você pode procurar outro lugar. Até mesmo empresas confiáveis ??fazem SSDs não confiáveis ??às vezes, portanto, fique de olho nas avaliações para evitar comprar um “limão”.

Se você não tiver um segundo disco rígido: use um disco externo e a nuvem para combater as restrições de armazenamento

O que é SSD? Entenda mais sobre o assunto! – Foto: Reprodução/Life Hacker

Independentemente do tamanho do seu SSD, ele nunca superará a capacidade de armazenamento de um HDD. Dessa forma, se você não tiver um disco rígido secundário instalado no computador, precisará armazenar o excesso de dados em outro lugar. Um HDD externo e a nuvem são duas das melhores maneiras de contornar as limitações de armazenamento de seu SSD.

A menos que você tenha coleções enormes, um SSD com capacidade de 240 GB (ou superior) deve ser capaz de armazenar seu sistema operacional, documentos, músicas e fotos sem problemas. É quando você entra no negócio de criação musical, edição de vídeo, fotografia profissional, jogos e outros trabalhos que produzem arquivos grandes que você normalmente se depara com um limite máximo de armazenamento. 

Uma unidade externa geralmente é a solução mais fácil, então você vai querer escolher uma com uma capacidade grande o suficiente para atender às suas necessidades.

Quando um drive externo não resolverá o problema e você realmente precisar reduzir o tamanho de sua coleção de mídia que consome muito espaço, a nuvem pode vir em seu socorro. 

A maioria das melhores soluções vem do Google porque são simples e gratuitas. O Google Play Music permite que você carregue toda a sua coleção de áudio e, ao fazer isso, você poderá excluir todas as músicas que raramente ouve, mantendo o acesso direto a elas de qualquer lugar que tenha um conexão de internet. O Picasa pode fazer o mesmo com suas fotos. Quando se trata de outros dados, você tem muitas opções. O Google Drive é ótimo para vários arquivos, o Simplenote para texto e Evernote para “rich” textos e PDFs.

Otimize ele para um desempenho ideal

O que é SSD? Entenda mais sobre o assunto! – Foto: Reprodução/Zoom

Na maior parte, não há muito o que fazer para otimizar seu SSD. Dessa forma, ele já é muito rápido e deve funcionar sem nenhum ajuste. Dito isso, você pode obter melhor desempenho e longevidade com alguns ajustes.

Habilitar TRIM

O que é SSD? Entenda mais sobre o assunto! - Foto: Reprodução/Life Hacker
O que é SSD? Entenda mais sobre o assunto! – Foto: Reprodução/Life Hacker

A primeira coisa que você deve fazer após instalar e configurar seu SSD é habilitar o TRIM. Mas o que é TRIM, exatamente? A Wikipedia oferece uma explicação concisa:

TRIM é um comando [que] permite que um sistema operacional informe a uma unidade de estado sólido (SSD) quais blocos de dados não são mais considerados em uso e podem ser apagados internamente.

Basicamente, evita que seu SSD seja usado em “demasia”. Assim como qualquer componente, os SSDs têm vida útil limitada. Dessa forma, o TRIM ajuda a manter seu disco de estado sólido ativo por um pouco mais de tempo, então você deseja que ele seja ativado se sua unidade for compatível.

Não desfragmente seu SSD

Quando os dados são armazenados em uma unidade, geralmente acabam em várias partes que não estão todas no mesmo lugar. Isso é chamado de fragmentação de dados. Isso desacelera os HDDs porque a cabeça da unidade precisa se mover de um lugar para outro para ler todos os pequenos bits de informação. 

Isso pode ser corrigido usando um processo chamado desfragmentação, que é integrado às versões recentes do Windows (7 e superior) e do OS X. A localização dos dados em um SSD é praticamente irrelevante, pois pode acessar rapidamente qualquer um deles independentemente de onde estiver. Portanto, desfragmentar um SSD não é apenas desnecessário, mas também prejudicial para a unidade. Os SSDs têm uma vida útil limitada que é determinada pela quantidade de uso. Embora a maioria dure o tempo que você precisar, a desfragmentação do disco envolve a leitura e a gravação de dados desnecessariamente e essas ações encurtarão a vida útil do seu SSD. Dessa forma, o OS X e o Windows devem saber quando você está usando um SSD e desligar a desfragmentação automaticamente.

Gostou? O que achou? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. É só clicar em “Canal do Telegram” que está localizado no canto superior direito da página!