Sempre que alguém levanta a questão de quais franquias de jogos “adormecidas” precisam ser ressuscitadas dos mortos, nunca passa muito tempo antes que a série Onimusha centrada no PlayStation 2 da Capcom volte como uma resposta. As histórias de um Japão dominado pelo sobrenatural não apareceram em nenhum lugar da sexta geração de consoles (PS3 e Xbox 360). Dessa forma, passaram 13 anos desde que ouvimos a última palavra sobre o consumo de alma do Genma. No entanto, isso tudo muda com a remasterização de Onimusha: Warlords.

Veja também o review completo de Dreams!

O game é um relançamento da origem da franquia de 2001 que traz com ele visuais aprimorados, controles atualizados e novos recursos. Isso é o suficiente para reviver os hábeis espadachins do passado, ou eles ficariam satisfeitos em permanecer em seus túmulos?

Semelhanças com Resident Evil e uma natureza básica

Onimusha Warlords: veja o review do game! - Foto: Push Square
Onimusha Warlords: veja o review do game! – Foto: Push Square

Para quem não sabe, Onimusha: Warlords é bem semelhante com um dos primeiros títulos de Resident Evil. Dessa forma, você explorará o Castelo de Inabayama através de ângulos de câmera fixas, resolvendo quebra-cabeças e coletando itens. Além disso, também lutará contra vários inimigos pelo caminho do game. Esse loop de jogabilidade permanece intocado 18 anos depois, o que significa que vai demorar um pouco para se acostumar se esta for a sua primeira exposição à aventura de Samanosuke Akechi. O que o diferencia, porém, é a reunião de almas Genma de todas as criaturas do outro mundo que você derrotar. Dessa forma, a variação vermelha é útil para atualizar suas armas. Por outro lado, os orbes azuis reabastecem seu medidor de mágica. Por fim, o amarelo é útil para a saúde. É uma coisa simples, mas funciona.

Na verdade, é essa natureza básica que realmente funciona a favor do jogo. Entre enxames de jogos de 80 horas cheios de mecânica e sistemas, Onimusha: Warlords é uma viagem de volta a tempos mais simples. É um jogo com apenas dois meios de ataque, itens que têm usos óbvios e um sistema de atualização que é claro e fácil de entender. Superável no espaço de quatro horas, a viagem da Capcom pelos caminhos da memória é uma lufada de ar fresco bem-vinda. Os novos na experiência terão um período de adaptação muito leve, mas uma vez que você está fisgado, não há como voltar atrás.

Pode ser uma grande decepção para os fãs dos jogos antigos

Onimusha Warlords: veja o review do game! - Foto: Push Square
Onimusha Warlords: veja o review do game! – Foto: Push Square

Quando se trata de voltar aos veteranos pode ser uma história ligeiramente diferente. Este relançamento se baseia na versão PS2 original, ao invés da versão Genma atualizada que veio para o Xbox um ano depois. Isso significa que a dificuldade mais difícil, diferentes posicionamentos de inimigos e itens, progressão de campanha e novas mecânicas de combate estão longe de ser vistos aqui. Isso pode ser uma grande decepção para os fãs que retornam à experiência quase duas décadas depois. No entanto, é um dos poucos erros da remasterização.

É claro que há polêmica em torno da remoção da trilha sonora original, mas quando os motivos legais são levados em consideração, a culpa não depende dos ombros do jogo nem do próprio desenvolvedor. Em seu lugar, novas peças foram feitas e funcionam tão bem na prática quanto o que funcionava em 2001.

O que não pode ser perdoado, porém, é que essa foi uma chance de introduzir uma melhoria de qualidade de vida muito necessária à experiência, mas não foi aproveitada. Se você ficar preso em uma luta de chefe que resulta em várias tentativas antes de vencê-lo, não há como pular as cenas introdutórias antes da luta. Dessa forma, você é forçado a “sentar” com eles todas as vezes, com alguns ocupando muitos minutos antes de você ter outra chance de fazer as coisas. Combine isso com o fato de que você precisa voltar lá de um ponto de salvamento de qualquer maneira, e você terá uma receita que rapidamente o leva à frustração. Adicionar a capacidade de pular essas cenas certamente teria sido um processo simples, mas a oportunidade não foi aproveitada.

Mas nem tudo são “problemas”

Onimusha Warlords: veja o review do game! – Foto: TT

Felizmente, nem tudo é desgraça e tristeza. Onimusha: Warlords originalmente lançado com um esquema de controle parecido com um tanque muito semelhante aos títulos Resident Evil mencionados anteriormente, mas estes foram atualizados para permitir o uso dos sticks analógicos do DualShock 4.  Ainda não é perfeito, já que você encontrará o problema comum de se dobrar quando os ângulos fixos da câmera mudarem e você não tiver o stick no lugar certo, mas funciona muito melhor do que o que tínhamos antes.

Visualmente, a nova camada de tinta é bem-vinda, mas ela não pode fazer muito para esconder suas origens. Modelos de personagens e inimigos agora são totalmente renderizados em alta definição, mas os planos de fundo pré-renderizados ocasionalmente aparecem desbotados, a ponto de você lutar para criar ambientes e objetos. Por fim, a taxa de quadros tem um aumento de até 60 quadros por segundo e tempos de carregamento mais rápidos que o colocam em ação mais rápido do que nunca.

Conclusão

Onimusha Warlords: veja o review do game! – Foto: Playstation

Embora alguns ajustes e adições importantes o tragam para a era moderna, este ainda é muito o Onimusha: Warlords que você lembra de 2001. Isso não é uma coisa ruim, pois 18 anos depois, ainda é capaz de reunir uma campanha emocionante com todo tipo de horrores para cortar e fatiar. Portanto, recomendado para novatos e veteranos, Onimusha: Warlords é uma distração bem-vinda que nos leva de volta a um tempo mais simples. Agora, vamos tornar essa reinicialização uma “realidade” da Capcom.

Gostou? O que achou? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. Basta clicar em “Canal do Telegram” que está localizado no canto superior direito da página!