Outlast nos lembra que não precisamos necessariamente de ghouls e fantasmas para tomarmos um bom susto. O mundo real se sai bem por si só. De fato, o jogo de terror da Red Barrels pega muitas coisas “emprestadas” liberalmente da aclamada aventura de terror de sobrevivência de 2011, Amnesia: The Dark Descent, mas se distingue jogando de lado o medo “Lovecraftiano” em favor dos acontecimentos comparativamente mundanos em um hospício situada perto do Monte Massive Wilderness, na área do Colorado. 

Veja também os melhores jogos de terror de 2020!

O próprio nome de Outlast parece desafiá-lo a superar os recordes de seus amigos por jogar o game sozinho no escuro. Dessa forma, você frequentemente é levado a acender as luzes e acalmar seus medos. No entanto, a eventual previsibilidade de seus sustos e sua dependência excessiva dos mesmos tipos de inimigos drenam um pouco do “horário de funcionamento” do game.

Início do game

Outlast: confira o review completo do game! – Foto: Reprodução/Outlast

Certamente, a abertura é certa. Outlast é o conto de Miles Upshur, um jornalista investigativo que tenta bisbilhotar o Mount Massive Asylum para desenterrar uma sujeira em uma organização psiquiátrica modesta. Meros segundos dentro do local e ele percebe que provavelmente fez uma má escolha. O terror da jornada de Upshur é enfatizado por sua falta de armas, e seu único meio de lidar com os horrores que acontecem a ele reside em sua capacidade de correr e – muito raramente – em um botão que o deixa se libertar dos atacantes. Quando ele filma, é apenas com sua câmera de vídeo digital, que funciona como um dispositivo de visão noturna com o uso da bateria tão sombrio que provavelmente seria retirado da Amazon.

Uma lembrança do filmes Bruxa de Blair

Outlast: confira o review completo do game! - Foto: Reprodução/Outlast
Outlast: confira o review completo do game! – Foto: Reprodução/Outlast

Quando se trata de provocar tensão, no entanto, o suprimento de energia cada vez menor da câmera é uma coisa boa. Como conseqüência, Upshur passa grande parte do jogo indo de esgotos a teatros e a laboratórios em total escuridão. Dessa forma, as baterias de drenagem rápida inicialmente ajudam a manter os tipos de calafrios que a desenvolvedora Red Barrels deseja. Pena que as baterias são tão comuns em algumas horas que você pode manter um pacote completo de 10 com pouco esforço.

Mesmo assim, a dependência de Outlast na câmera de vídeo ajuda a proporcionar uma experiência fortemente sugestiva do filme Bruxa de Blair de 1999, até a visão de pacientes contemplando cantos no brilho verde da visão noturna enquanto Upshur choraminga e solta. Outlast nunca “esquece” que foca tanto em sobrevivência quanto em horror. Com os ataques fora de questão, Upshur passa a maior parte do tempo escondido em armários e embaixo das camas, e alguns dos momentos mais deliciosamente tensos de Outlast surgem da observação de seus possíveis agressores através de ripas de metal. Como os personagens de Bruxa de Blair, Upshur nunca perde de vista sua missão. Portanto, ele leva tempo para coletar documentos relativos a assustadores médicos e pacientes nazistas para garantir que sua viagem valha a pena. Supere até mesmo a experiência geral com vários quebra-cabeças que exigem jogos e plataformas leves entre dois objetivos.

Apesar do cenário previsível, o jogo é imprevisível

Outlast: confira o review completo do game! - Foto: Reprodução/Outlast
Outlast: confira o review completo do game! – Foto: Reprodução/Outlast

Um hospital psiquiátrico pode ser um cenário previsível – até mesmo clichê – para esse tipo de história, mas também oferece a Outlast a chance de misturar pessoas que só querem ficar em paz com os tipos psicóticos. O resultado da configuração é que você nunca sabe o que irá encontrar, e aí reside muito do potencial de terror de Outlast. No início, por exemplo, você é forçado a passar direto por um trio de pacientes com cicatrizes que lhe dão pouca atenção. Mais tarde, um paciente louco com um taco pode deixá-lo passar ileso, mas decide atrapalhá-lo assim que passar novamente. Uma consequência infeliz desse projeto é que um louco que você encontra com seis horas de jogo não difere muito dos primeiros que você vê, embora o perigo sempre presente de morrer devido a alguns golpes desagradáveis ??ajude a manter uma sensação de cautela a cada encontro .

Cautela é a palavra-chave aqui, não medo. Na terceira das cerca de sete horas de jogo do Outlast, os detentos comuns deixam de causar muitas surpresas reais, mesmo que a mera ameaça deles continue fazendo você pular com sons inexplicáveis. Aqueles que não foram desfigurados por experimentos costumavam passar por “gêmeos” um do outro, e isso é piorado pela ausência de pacientes do sexo feminino, embora Upshur faça uma longa permanência na chamada Ala das Mulheres do Monte Massive.

Alguns momentos de destaque e ótimo trabalho com os sons

Outlast: confira o review completo do game! – Foto: Reprodução/Outlast

Alguns momentos de destaque se afirmam entre a multidão, e é uma pena que não haja mais. Em um dos pontos altos de Outlast, por exemplo, você caça uma chave enquanto joga um jogo frenético de gato e rato com um médico que mistura selvageria sedenta de sangue com uma voz que poderia pertencer a Fred Rogers. É uma sequência de scripts fantástica, e todos os pacientes que você encontra depois parecem tão memoráveis ??quanto um zumbi de Left 4 Dead em comparação. Isso é especialmente verdadeiro com a monstruosidade encadeada e pesada que quebra portas e o caça durante toda a trama. Por mais assustadora que possa parecer sua aparência, suas aparências repetidas acabam se tornando previsíveis.

Mas mesmo quando você se acostumou com ele e seus companheiros menos entusiasmados, Outlast consegue sustentar parte da tensão inicial através de seu design de som louvável. As fortes pisadas de Upshur no tapete parecem um pouco excessivas para um homem que tenta esgueirar-se, mas a maneira como seu coração bate com maior intensidade ao se aproximar de um momento hostil é um bom substituto para a quase total ausência de IU do Outlast. Além disso, Outlast também é um deleite visual às vezes, mesmo se seu foco favorecer a paisagem sobre os modelos de personagens. Entre em uma piscina de água no esgoto, por exemplo, e você verá como cada passo desencadeia ondulações na superfície da água. Rastreie uma poça de sangue e você pode se assustar ao ver pegadas sangrentas antes de perceber que são suas.

Realismo e sobrevivência

Outlast: confira o review completo do game! – Foto: Reprodução/Outlast

O Outlast está no seu melhor quando se apega ao foco no realismo que o diferencia da Amnésia e, portanto, perde o rumo quando se interessa pelo sobrenatural à medida que a trama se aproxima do clímax. Certamente, uma vez que você constrói uma tolerância aos horrores depois de passar por dezenas de almas torturadas, a visão de algo que não seja humano é quase um alívio. Infelizmente, essa tolerância também afeta a dependência de Outlast dos chamados “sustos de pulo”, como corpos aparentemente mortos que pulam e atacam ou a visão dos rostos dos pacientes aparecendo a poucos centímetros do seu depois que você sai de um espaço. Com o tempo, você pode até adivinhar corretamente onde o próximo susto aparecerá. Mesmo os pontos de verificação demorados para sequências-chave roubam Outlast de alguns de seus arrepios: depois de falhar uma tentativa duas vezes, por exemplo,

Isso não deve impedir que você jogue Outlast, especialmente se você é do tipo que gosta de sentar em salas escuras com esse tipo de jogo e se assustar na solidão. Na maioria das vezes, principalmente no início, quando suas peculiaridades são novas e desconhecidas, ele é apresentado. Mesmo seus momentos mais fracos devem sua existência não a ambiência e tensão ineficazes, mas a excessiva confiança estimulada por eventuais encontros previsíveis que se chocam com a promessa do cenário. Do começo ao fim, ele nunca perde de vista o componente “sobrevivência” do horror à sobrevivência, e de tal maneira que nos lembra que poucas coisas nesta terra podem ser tão aterrorizantes quanto nossos semelhantes.

Perguntas Frequentes

O que é Outlast?

Outlast é uma aventura de terror de sobrevivência sem armas que provoca ataques frequentes de pavor. Além disso, o game é em primeira pessoa e produzido pela Red Barrels.

O jogo está disponível para quais plataformas?

PlayStation 4, Xbox One, Nintendo Switch, Microsoft Windows, Linux, Mac OS Classic.

Qual o tempo de jogo de Outlast?

O jogo de terror deve demorar de 4 a 8 horas para ser completado.

Fonte: Game Spot

Gostou? O que achou? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. É só clicar em “Canal do Telegram” que está localizado no canto superior direito da página!