The Dark Pictures: Man of Medan se passa quase inteiramente no mar em um barco enorme e abandonado. Vagamente baseado no mistério da vida real do OSS Ourang Medan, que se tornou um naufrágio no final da década de 1940, depois que toda a sua equipe foi perdida em circunstâncias misteriosas, Man of Medan também é a primeira parte de Dark Pictures Anthology proposta pela Supermassive Games – uma série de experiências narrativas de terror curtas e ramificadas, que segue a linha de seu tremendo sucesso de 2015, Until Dawn. 

Veja os melhores jogos de terror de 2020!

Dessa forma, se você jogou Until Dawn, você saberá o que esperar desse game. Mas, apesar de um modo cooperativo on-line inteligente, a fraca narrativa de Man of Medan torna o game um pouco decepcionante, colocando a “continuação” da franquia em xeque.

Enredo do game

The Dark Pictures Man of Medan: veja o review completo! - Foto: Reprodução/Game Spot
The Dark Pictures Man of Medan: veja o review completo! – Foto: Reprodução/Game Spot

O enredo do jogo salta entre cinco personagens jogáveis ??diferentes que estão passando pelo mesmo evento. Dessa forma, você determinará seu destino final tomando decisões por eles e respondendo a eventos em tempo rápido. Há 69 mortes em potencial diferentes que você pode experimentar (incluindo as de personagens não jogáveis), mas também é perfeitamente possível que toda a sua equipe sobreviva. Como alternativa, eles podem todos morrer. O principal ponto de venda do game é que suas decisões afetarão o desempenho das coisas. Dessa forma, você será responsável em como as relações entre seus personagens se desenvolverão e o que você descobrirá e experimentará ao longo do caminho.

The Dark Pictures Man of Medan: veja o review completo! - Foto: Reprodução/Game Spot
The Dark Pictures Man of Medan: veja o review completo! – Foto: Reprodução/Game Spot

Nas conversas e nos pontos centrais da trama, muitas vezes você recebe três opções, uma das quais é sempre dizer ou não fazer nada. O Man of Medan está tão focado em sua história, que não há quebra-cabeças para resolver ou combater sistemas a serem dominados fora dessas opções, apenas muitos eventos exploratórios e rápidos. No entanto, o jogo é atormentado por um grande problema central: um enredo fundamentalmente fraco.

História pouco envolvente

The Dark Pictures Man of Medan: veja o review completo! – Foto: Reprodução/Game Spot

A história não é envolvente, uma vez que o jogador tem poucas razões para se preocupar com os personagens e os truques de terror que estão sendo explorados geralmente parecem insignificantes e pouco criativos. Depois de uma breve cena de prólogo nos anos 40, você passa o tempo de execução de quatro horas (mais ou menos) de Man of Medan nos dias atuais. A história começa com a tripulação planejando mergulhar em um avião de combate afundado da Segunda Guerra Mundial, que até então estava intocado. Isso leva a uma série de eventos que os vêem presos no Medan, um navio abandonado aparentemente assombrado, mantido em cativeiro por uma gangue de piratas que estão convencidos de que o navio – que está cheio de cadáveres – contém tesouros. Naturalmente, as coisas começam a acontecer durante a noite, e a gangue se vê lidando com vários fantasmas e terrores também.

Existem buracos na trama e inconsistências de caráter por toda parte, algumas menores, outras mais flagrantes. Talvez seja fácil perdoar a presença questionável de ratos por todo o barco, ainda roendo pedaços de carne que estão no navio desde os anos 40, mas é menos fácil desculpar como os personagens agem sobre as situações horríveis em que se encontram. Eles também são bastante “improváveis”. Dessa forma, há o legal, mas inseguro Alex, seu idiota irmão mais novo, Brad, a parceira rica e cessante de Alex, Julia, o detestável, mas bem-intencionado, irmão de Julia, Conrad, e Fliss, a capitã do pequeno barco.

Diálogo razoável e dependência de sustos

The Dark Pictures Man of Medan: veja o review completo! - Foto: Reprodução/Game Spot
The Dark Pictures Man of Medan: veja o review completo! – Foto: Reprodução/Game Spot

O diálogo geralmente não é muito bom. Às vezes, recria com sucesso a sensação de assistir a um filme de adolescente divertido, mas bobo.  Ocasionalmente, atinge aquele ponto ruim, como quando um personagem se refere desajeitadamente a algo como “aceso” ou flerta desajeitadamente. Mas também pode ser irritante quando as interações dos cinco personagens centrais parecem sombrias e irreais. Sem estragar nada, a história também explica um pouco demais o que está acontecendo no Medan de uma maneira que torna repetidas os acontecimentos menos “satisfatórios”.

Há também uma dependência excessiva de sustos, o que barateia a experiência do terror. Uma sequência de destaque no meio do jogo que faz um ótimo trabalho, é quando Brad se vê preso em um corredor que fica um pouco mais estranho a cada vez que ele anda. Mas, caso contrário, Man of Medan depende da primavera – gatos carregados e muitos rostos de transformação repentina. No lado positivo, os modelos de personagens podem ser um pouco cerosos, mas o navio é extremamente detalhado e assustador, e o jogo comunica efetivamente o quão desagradável é o ato de explorar um depósito de ferrugem cheio de cantos escuros e cadáveres podres. A desvantagem, pelo menos em um PS4 básico, é que as animações frequentemente travam, quebrando o clima à medida que os quadros desaparecem.

Problemas no ritmo

The Dark Pictures Man of Medan: veja o review completo! - Foto: Reprodução/Game Spot
The Dark Pictures Man of Medan: veja o review completo! – Foto: Reprodução/Game Spot

Também há problemas de ritmo, especialmente com a “seção de abertura” extremamente lenta que pesa quando você deseja repetir o jogo. Embora você possa ver cenas diferentes ou obter resultados exclusivos a cada reprodução, algumas cenas serão essencialmente inalteradas a cada vez, o que pode ser percebido rapidamente. Ocasionalmente, você também precisará conferir o “The Curator”, um homem onipresente que claramente deve ser o mascote e apresentador de Dark Pictures Anthology. Ele é uma versão pomposa do Crypt Keeper (de Tales From The Crypt), mas sem a alegria de “boa noite, meninos e ghouls” que você deseja de um host de antologia de terror e, como resultado, ele não se encaixa.

Modo multijogador

The Dark Pictures Man of Medan: veja o review completo! – Foto: Reprodução/Game Spot

O modo multijogador é a grande adição de Man of Medan à fórmula apresentada por Until Dawn. Existem duas formas de cooperação: História compartilhada, na qual dois jogadores enfrentam o jogo juntos online, e Noite de cinema, onde até cinco jogadores podem jogar juntos offline, jogando nos capítulos de qualquer personagem que eles tenham sido designados no início. Jogar juntos no sofá talvez evoque a sensação de “não entre lá” de assistir a um divertido filme de terror com os amigos, mas os designs de nível relativamente simples de Man of Medan, que nunca fazem parecer perigoso sair do caminho e explore as portas abertas e os caminhos alternativos que encontrar, não facilita isso particularmente. A morte é mais frequentemente atribuída a um “QTE” com falha do que a uma escolha de diálogo que você fez ou porque decidiu investigar algo assustador.

No entanto, muitos dos problemas do jogo parecem muito menos problemáticos quando você entra no modo online inteligente e inovador. É, sem dúvida, a maneira definitiva de experimentar Man of Medan, especialmente se você estiver jogando com outra pessoa que esteja familiarizada com o material. A História compartilhada mostra os dois jogando ao mesmo tempo, assumindo o controle de diferentes personagens enquanto as cenas são exibidas simultaneamente. Eventualmente, vocês dois terão um turno com todos os personagens (se eles viverem o suficiente), e frequentemente seus caminhos divergirão. Depois que os cinco personagens principais se encontram após o prólogo inicial, a História Compartilhada oferece imediatamente uma experiência mais envolvente do que a campanha para um jogador.

A História Compartilhada da “vida” ao jogo

The Dark Pictures Man of Medan: veja o review completo! – Foto: Reprodução/Game Spot

No início, por exemplo, eu interpretei uma sequência em que dois personagens mergulhavam para inspecionar algo debaixo d’água, enquanto meu colega de cooperação ficou no barco e experimentou uma parte diferente da história. No modo single-player, você ainda verá as duas cenas, mas uma será muito “truncada”. Dessa forma, no modo cooperativo on-line, algumas cenas são expandidas, ou você pode ocasionalmente ver partes da história ou fazer escolhas que não podem ser acessadas no modo single player.

Isso nos levou a conspirar para fazer certas coisas acontecerem, dobrar a história do jogo à nossa vontade. Tivemos mais sucesso com alguns resultados do que outros (um evento de falha rápida levou a uma morte inesperada no início), mas trabalhando juntos para alcançar uma satisfação dramática e escolhendo quando revelar o que aconteceu e quando deixar o outro jogador tentar descobrir o que havíamos feito em nossas cenas, foi uma “delícia”. Cada jogador não verá todas as cenas ao jogar dessa maneira, e é totalmente possível jogar sem nunca se comunicar, o que torna o enredo mais imprevisível.

Por mais ou menos que você escolha compartilhar, a História compartilhada é absolutamente a maneira certa de jogar o jogo. É muito bem desenhada. Meu parceiro de cooperação e eu nunca nos vimos esperando o outro jogador se apressar e iniciar a próxima cena, e ser capaz de ver como seu amigo está tentando dirigir uma cena e decidir se deve ajudá-lo ou impedi-lo nisso, é excelente. Parece que você está trabalhando em conjunto para obter o maior número possível de resultados interessantes do jogo, e dobrar efetivamente o número de opções possíveis leva a um senso de variedade muito mais forte.

Conclusão

The Dark Pictures Man of Medan: veja o review completo! - Foto: Reprodução/Game Spot
The Dark Pictures Man of Medan: veja o review completo! – Foto: Reprodução/Game Spot

Man of Medan ainda está contando uma história fraca, no entanto, a História Compartilhada rebate sobre isso com sua excelente visão de cooperação, que permite planejar as coisas e trabalhar em conjunto para criar a narrativa que você deseja contar (e matar o personagens que você achar mais irritantes). Se você pode organizar uma sessão com outra pessoa que é dona do jogo e jogar a coisa toda juntos, é uma experiência excelente. Mas se você estiver atrás de outra experiência narrativa de terror para um jogador como a oferecida em Until Dawn, é muito decepcionante. Como uma demonstração do potencial de Dark Pictures Anthology, Man of Medan é amplamente um sucesso, mas como um primeiro episódio, deixa muito a desejar.

Fonte: Game Spot

Gostou? O que achou? Já jogou The Dark Pictures: Man of Medan? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. É só clicar em “Canal do Telegram” que está localizado no canto superior direito da página!