Inovar dentro dos limites das regras familiares do terror é uma tarefa difícil, mas que The Evil Within 2 lida muito bem. O desenvolvedor Tango Gameworks introduz inteligentemente o design de horror da velha escola dentro dos limites de um mundo semiaberto que, em última análise, contribui para uma viagem refrescante a um mundo de pesadelos.

Veja também os melhores jogos de terror de 2020!

Dessa forma, após alguns anos do primeiro jogo, encontramos o ex-detetive Sebastian Castellanos em apuros, ainda atormentado pela culpa da perda de sua família e assombrado por sua última visita a uma versão de pesadelo da realidade.  Quando uma organização sombria lhe dá a chance de consertar as coisas com seu passado e resgatar sua filha do mundo perigoso e instável da Union, ele voluntariamente volta ao reino assustador, apesar do seu trauma.

É um déjà-vu?

The Evil Within 2: confira o review completo! - Foto: Reprodução/Game Spot
The Evil Within 2: confira o review completo! – Foto: Reprodução/Game Spot

Desde o início, há uma sensação de déjà-vu enquanto Sebastian vagueia pelos locais misteriosos e irreais da Union. Apesar de ser um dos poucos sobreviventes do primeiro jogo, ele estranhamente se apaixona pelos mesmos truques e armações que o mundo e seus habitantes estabelecem para ele. Embora isso possa ser atribuído a um simples processo de restauração, muitas dessas instâncias fazem questão de ilustrar algumas diferenças importantes desse jogo e do último.

Diferenças em relação ao primeiro game

The Evil Within 2: confira o review completo! - Foto: Reprodução/Game Spot
The Evil Within 2: confira o review completo! – Foto: Reprodução/Game Spot

Geralmente, há uma sensação aventureira em comparação com os níveis isolados do original. Com mais personagens secundários para interagir – abrindo momentos de diálogo que revelam a história – e eventos opcionais espalhados por todo o mundo, há um nível de liberdade e variedade em The Evil Within 2 que estava ausente no primeiro jogo. No entanto, existem algumas seções notáveis ??em que o retorno é necessário, o que diminui o ritmo e a sensação de progressão para um rastreamento.

Apesar disso, a exploração é sempre divertida e gratificante, para os lugares escondidos, onde você pode encontrar detalhes sobre a história da Union e conhecer outros personagens que procuram sobreviver ao pesadelo. Com tantos pequenos detalhes que acrescentam muito à atmosfera, há um claro respeito pelo mundo de The Evil Within. Os muitos acenos do jogo original parecem mais impactantes, dando uma nova apreciação à aventura anterior de Sebastian.

Comparado aos níveis singulares de seu antecessor em capítulos únicos, The Evil Within 2 possui um conjunto de lugares mais orgânico e interconectado para explorar. Dessa forma, há um foco em vários mapas grandes com vários pontos de interesse. Embora ainda haja muitas peças impressionantes e distorcidas na perspectiva, como uma criatura tentadora com uma câmera grande para um olho, os espaços exploráveis ??são o verdadeiro destaque. De muitas maneiras, é como atravessar um parque de diversões demente cheio de criações hediondas, forçando-se a enfrentar horrores do passado. Aventurar-se em lugares não marcados no mapa geralmente gera recursos valiosos. Além disso, também leva a alguns encontros surpreendentes com fantasmas obsessivos e múltiplos eventos irritantes da “quarta parede”.

Mudanças de ambiente com o tempo

The Evil Within 2: confira o review completo! – Foto: Reprodução/Game Spot

Com o tempo, os ambientes caem no caos quando a Union inevitavelmente se torna instável, transformando uma pequena cidade em uma concha horrível e enervante de seu antigo eu. Ruas verticalmente melhoram, e fogo e sangue exalam de lugares que não deveriam. O design visual de The Evil Within 2 justapõe com sucesso cenários e estética vastamente diferentes e os apresenta em um pacote bizarro que ilustra a natureza errática e imprevisível do mundo.

Evolução de Sebastian e vilões

The Evil Within 2: confira o review completo! – Foto: Reprodução/Game Spot

Enquanto Sebastian se sentiu mais como um mero esboço de um protagonista endurecido e cansado no primeiro jogo da franquia, ele se sente melhor realizado e mais fundamentado nessa sequência, dando uma certa gravidade à sua luta. Mostrando perplexidade e confusão ao longo do primeiro jogo, ele está mais confiante e determinado desta vez, até jogando algumas frases que zombam de alguns dos perigos do último jogo. O elenco coadjuvante de vilões também se sente mais ativo nos eventos em andamento e tem um maior senso de lugar desta vez. Principalmente com o excêntrico artista serial killer que fotografa suas vítimas após a morte.

Embora haja momentos ocasionais de “risadas” e humor – como a inclusão de um campo de tiro “pateta” e brinquedos colecionáveis ??relacionados a outros jogos da Bethesda – a leviandade nunca parece fora de lugar, o que é uma conquista, considerando a atmosfera macabra difusa do jogo.

Foco na sobrevivência

The Evil Within 2: confira o review completo! - Foto: Reprodução/Game Spot
The Evil Within 2: confira o review completo! – Foto: Reprodução/Game Spot

Colocando uma ênfase maior no aspecto de sobrevivência, The Evil Within 2 exige gerenciamento de recursos e bravura em seu mundo relativamente espaçoso. Enquanto inimigos comuns são menos numerosos em comparação com o jogo original, eles são muito mais ameaçadores sozinhos e podem facilmente lidar com Sebastian. Desta vez, existe uma abordagem ponderada para o engajamento e a progressão. Isso significa que você terá que pensar duas vezes sobre se deve ou não atacar um grupo de inimigos. Dessa forma, você tem um arsenal considerável de armas e equipamentos – incluindo o retorno da Crossbow com seis tipos diferentes de munição – para enfrentar os inimigos como achar melhor.

The Evil Within 2: confira o review completo! – Foto: Reprodução/Game Spot

Ao longo de sua jornada, Sebastian carrega um dispositivo de comunicação, permitindo que ele acompanhe os principais objetivos, além de pontos de interesse e informações sobre o destino dos personagens secundários na área. Você decide como lidar com esses personagens e explorar. Da mesma forma, se você evita o conflito com os inimigos ou evita o maior número possível ao longo do caminho, jogue de acordo com o seu estilo de jogo preferido. The Evil Within 2 acomoda aqueles que preferem ação tanto quanto aqueles que gostam de ser furtivos. O combate é robusto, graças ao manuseio aprimorado de armas e à atualização de personagens, que permitem que você se concentre nas áreas específicas do conjunto de habilidades de Sebastian para aprimorar furtividade, combate e atletismo.

Novos equipamentos e mais sobrevivência

The Evil Within 2: confira o review completo! – Foto: Reprodução/Game Spot

Sebastian pode retornar ao refúgio de sua mente para atualizar armas e habilidades e revisar arquivos de casos e informações sobre vários personagens. Com o Green Gel coletado de inimigos caídos – e o novo Red Gel que desbloqueia atualizações de nível superior – o sistema de atualização do núcleo foi bastante aprimorado. Indo além de simplesmente aumentar o dano de ataques corpo a corpo e o comprimento de resistência, novas vantagens especiais podem ser desbloqueadas, como a sempre útil habilidade Bottle Break que usa garrafas como itens de autodefesa quando agarradas pelos inimigos. Juntamente com o sistema expandido de atualização de armas, usando apenas partes de armas, os sistemas de progressão parecem muito mais matizados e abertos.

Além disso, Sebastian terá que procurar suprimentos e outros materiais para compensar a falta de caixas de munição e itens de saúde. Embora isso possa facilitar as coisas, a fabricação eficiente só pode ser feita em bancadas dedicadas, enquanto a fabricação no campo por meio do menu de inventário radial deve ser feita como último recurso, pois custa o dobro de materiais. Esse elemento de criação adiciona um pouco de sensação de sobrevivência ao The Evil Within 2, onde você está andando pelas esquinas para encontrar materiais, enquanto evita grupos de inimigos que estão procurando atacá-lo.

Uma dificuldade “justa”

The Evil Within 2: confira o review completo! - Foto: Reprodução/Game Spot
The Evil Within 2: confira o review completo! – Foto: Reprodução/Game Spot

Embora o jogo seja desafiador, mesmo no nível de dificuldade padrão, não é injusto, e há opções para vários estilos de jogo. Por exemplo, o modo de dificuldade padrão de Sobrevivência é gerenciável, e você não encontrará um caminho devido à falta de recursos. No entanto, o modo Pesadelo aumenta os riscos, apresentando encontros de combate ligeiramente alterados, inimigos mais difíceis e menos recursos para encontrar. Se você estiver preparado para um desafio de outro tipo, o modo Clássico desbloqueável desativará os salvamentos automáticos, as atualizações e o limitará a uma quantidade finita de salvamentos. Além de desbloqueáveis ??extras para completar as dificuldades mais difíceis, as experiências que eles oferecem são mais compatíveis com a verdadeira experiência de horror de sobrevivência, onde os recursos são difíceis de encontrar e os inimigos são mais mortais do que antes.

Respeito ao gênero de terror e pequenos problemas técnicos

The Evil Within 2: confira o review completo! – Foto: Reprodução/Game Spot

Existe um claro respeito pelo gênero de terror em The Evil Within 2, com várias referências a filmes e jogos clássicos. Além disso, o jogo canaliza o estilo e o tom de combate que parecem brutais, a furtividade que tem um ar de suspense e confrontos perturbadores com criaturas perigosas do outro mundo. The Evil Within 2 dobra o âmago do que torna os jogos de terror de sobrevivência ótimos: o foco no empoderamento e nos obstáculos e a satisfação resultante de sobreviver a um ataque angustiante.

Embora haja alguns problemas técnicos ocasionais que resultam em momentos particularmente frustrantes e problemas de ritmo estranhos, esta sequência de horror eleva a experiência de terror de sobrevivência tensa e impactante de maneiras que parecem frescas e emocionantes. O que esse jogo de terror cerebral faz não é totalmente novo, mas raramente parece rotineiro e oferece muitas surpresas. Entrando em uma longa e surpreendentemente empacotada campanha de 15 horas, a sequência faz um trabalho admirável de aumentar a tensão e assustar quando necessário. Isso sem mencionar que o game oferece a liberdade de explorar e prosseguir como você deseja. É uma coisa difícil de equilibrar, mas The Evil Within 2 o faz notavelmente bem, e de uma maneira que deixa uma impressão forte e duradoura após sua conclusão tocante.

O jogo é direcionado para qual público?

Bom, não é segredo que o jogo deve ser direcionado para as pessoas que amam jogos de terror. Além disso, The Evil Within 2 exige muita atenção por parte dos jogadores, já que é um jogo de dificuldade “justa”. Portanto, quem procura um jogo desafiante vai apreciar este game, a menos que tenha uma aversão muito grande à violência gráfica (que tem de sobra no game). Por fim, é preciso que o jogador realmente goste ou esteja disposto a entrar em um mundo cheio de sustos ocasionais, sangue, membros decepados e criaturas horríveis. Pense assim: Se você for fã de games como Resident Evil e Silent Hill, esse jogo será muito bom para você.

Prós

  • “Semi” mundo aberto aterrorizante;
  • Dificuldade justa;
  • Ótimos efeitos sonoros;
  • O protagonista melhorou muito em relação ao primeiro jogo.

Contras

  • Puzzles repetitivos.

Conclusão

The Evil Within 2 resgata elementos clássicos dos games de terror, como Resident Evil, e os aplica em um mundo semi aberto repleto de ameaças terríveis, no melhor sentido da palavra. Além disso, a ambientação é muito boa e os efeitos sonoros ajudam a criar a atmosfera de medo, tornando exaustiva a luta de Sebastian pela improvável felicidade e, ao mesmo tempo, emocionante. De qualquer forma, este game de terror e sobrevivência em mundo aberto deve ser uma tendência levada adiante por outras franquias.

Fonte: Game Spot

Gostou? O que achou? Já jogou The Evil Within 2? Deixe seu comentário. Além disso, não se esqueça de entrar no nosso grupo do Telegram. É só clicar em “Canal do Telegram” que está localizado no canto superior direito da página!